Venezuela

Nicolás Maduro quer indemnização por 5,6 milhões de colombianos a viver no país

126

O presidente venezuelano exige uma indemnização pelos 5,6 milhões de colombianos que vivem no país. Anúncio será reação ao comentário do seu homólogo que o critica por uma "ditadura desprezível".

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente Nicolás Maduro anunciou, na segunda-feira, que vai recorrer a instâncias internacionais para que a vizinha Colômbia indemnize a Venezuela por ter acolhido 5,6 milhões de colombianos, que permanecem no país. “Vamos usar todos os mecanismos internacionais para que o Governo da Colômbia indemnize a Venezuela pelos cinco milhões e 600 mil colombianos que estão aqui e que recebem todos os serviços, já que vieram para o país numa situação de pobreza”, declarou.

Nicolás Maduro falava à imprensa, no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, após receber as cartas credenciais dos novos embaixadores da Alemanha, do Qatar e da Índia. “Aprovei a ideia de avançar com uma queixa a nível internacional contra a Colômbia pelos colombianos que temos aqui. Não vão ter como pagar”, frisou.

Maduro reagia às declarações do homólogo colombiano, Iván Duque, que também na segunda-feira, na Cidade do Panamá, afirmou existir na Venezuela uma “ditadura desprezível”, sendo necessário o apoio de todo o continente para combater a crise humanitária e migratória venezuelana.

Em resposta, Nicolás Maduro sublinhou que vai usar “todos os canais legais internacionais” para receber uma indemnização “por todos os colombianos que receberam atenção, saúde, educação”, sem qualquer queixa das autoridades da Venezuela.

Por outro lado, o chefe de Estado venezuelano denunciou que a Colômbia está a promover “um plano estúpido” de intervenção da Venezuela e advertiu que “ninguém tocará” no seu país. Maduro adiantou que vai denunciar também, a nível internacional, a xenofobia contra os emigrantes venezuelanos.

De acordo com a ONU, pelo menos 2,3 milhões de venezuelanos estão radicados no estrangeiro, incluindo 1,6 milhões que emigraram desde 2015, devido ao agravamento da escassez de alimentos, medicamentos e aos altos preços dos produtos na Venezuela, tendo em conta os baixos salários. Países como o Brasil, a Colômbia, o Chile, o Panamá, a Argentina e o Equador são os principais destinos dos venezuelanos que emigraram para países da América do Sul.

Nicolás Maduro continua a rejeitar a existência de um êxodo causado pela crise no país, afirmando tratar-se de “uma campanha mundial para justificar uma política de intervenção”. Assim, o Presidente da Venezuela ordenou a criação de uma ponte aérea para trazer os cidadãos que pretendam regressar a casa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)