Rádio Observador

Rússia

Rússia dá início às maiores manobras militares desde a Guerra Fria

391

300 mil militares, mil aviões, helicópteros e drones, 36 mil tanques e blindados de transporte de tropas e 80 navios e outras embarcações. Começam esta terça as maiores manobras militares desde 1980.

AFP/Getty Images

Depois do anúncio no mês passado, a Rússia começa esta terça-feira os exercícios militares Vostok 2018, com as maiores manobras militares desde os anos 1980. Ao todo, e até sábado (dia 15 de setembro), participam nestes “jogos de guerra” cerca de 300 mil militares, mais de 1.000 aviões, helicópteros e drones, 36 mil tanques, blindados de transporte de tropas e veículos de combate de infantaria, bem como 80 navios e outras embarcações.

Segundo o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, estas manobras, que se realizam na Sibéria Oriental e no Extremo Oriente, são “essenciais para garantir que a Rússia se consegue defender face à atual situação internacional, que é muitas vezes agressiva e hostil”, acrescentando que “as manobras não são dirigidas contra outros países”. “Estão de acordo com a nossa doutrina militar, que é de caráter defensivo”, sublinhou, citado pela NBC.

O exercício decorre num momento de tensão entre o Ocidente e a Rússia, que está preocupada com a construção da aliança militar da NATO no seu lado ocidental. Estas relações, recorde-se, vivem momentos de tensão desde a anexação da Crimeia, em 2014. E, por isso, vão também estar presentes observadores de 57 países, assim como a missão de ligação da NATO e a representação da União Europeia.

Ao todo, serão utilizados nove campos de prova, incluindo quatro da Aeronáutica e da Defesa Áerea, e três mares — Mar do Japão, Mar de Bering e Okhotsk Sea, para os exercícios serem realizados.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, acompanhado pelo ministro da Defesa, Sergei Shoigu, durante o último exercício militar conjunto entre a Rússia e a Bielorússia.

“No decurso das manobras, a ação das tropas será realizada em conformidade com o acordo entre a Rússia, a China, o Cazaquistão, o Quirguistão e o Tajiquistão para o fortalecimento da confiança na área militar na área de fronteira”, assinalou o Ministério da Defesa em comunicado, citado pela agência Lusa.

No mês passado, o ministro da defesa explicou que estas manobras militares “vão parecer a Zapad-81, mas mais imponente de uma certa maneira”, ou seja, vão superar as manobras militares que foram realizadas em 1981 na Polónia, as maiores alguma vez realizadas pela então União Soviética.

Sergey Shoygu disse ainda que os principais objetivos passam por “verificar a prontidão dos órgãos de comando e controlo no planeamento e reagrupamento de tropas, a cooperação das forças terrestres e da Marinha, melhorar as habilidades dos comandantes e do pessoal no comando e aumentar o controlo na preparação e condução de ações de combate”.

Na primeira etapa das manobras, será feito o desdobramento das forças no Extremo Oriente, no Pacífico Norte e no Mar do Norte. Já na segunda etapa vai ser verificada a interação das várias forças nas operações de defesa e ataque.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)