Boris Johnson

Divórcio e adultério. O mais recente escândalo não irá (provavelmente) afetar a popularidade de Boris Johnson

O recém anunciado divórcio e os rumores de adultério não deverão, na previsão dos membros do Partido Conservador, afetar a popularidade do candidato apontado como provável substituto de Theresa May.

Getty Images

O recém anunciado divórcio e os rumores de adultério não deverão, na previsão dos membros do Partido Conservador, afetar a popularidade do candidato apontado como provável substituto de Theresa May.

A separação entre Boris Johnson e a companheira de 25 anos, a conceituada advogada Marina Wheeler, foi noticiada na passada sexta-feira pelo The Sun. O jornal tabloide dava conta de que o casal estava a viver vidas separadas e que Wheeler não tinha qualquer intenção de reatar a relação com o marido, alegando que este a tinha traído novamente. No mesmo dia, o ex-casal emitiu um comunicado conjunto em que admitiu o divórcio.

Boris Johnson e Marina Wheeler eram casados há 25 anos. Uma nova traição terá na origem do divórcio, que fontes próximas do casal dizem já estar acordado há vários meses.

No domingo, a mesma publicação noticiou a relação de proximidade entre o ‘Mr. Brexit’ e a ex-chefe de comunicação do partido conservador. Carrie Symonds, de 30 anos (menos 24 que Boris Johnson) foi colocada no centro da polémica do divórcio de Johnson, sendo apontada como a alegada amante do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros.

Carrie Symonds, ex-chefe de comunicação do partido conservador, está a ser apontada como a alegada amante.

No mesmo dia em que o divórcio foi anunciado, o website Conservative Home divulgou uma sondagem sobre a popularidade dos membros do partido que poderão vir a substituir Theresa May na liderança. Boris Johnson surge em primeiro lugar com 35% de apoio, mais do dobro que o segundo classificado (Sajid Javid com 15%). Este resultado representou um aumento de 6% face a julho.

“Estou desconfiado que não vai fazer grande diferença. O Boris é adorado por ser o Boris”, disse ao The Guardian um alto membro do partido conservador próximo do ex-ministro. “No passado, um político divorciado que procurasse a liderança não teria hipótese, mas as coisas mudaram. Aconteceram-lhe [ao Boris Johnson] coisas na carreira que deixariam a maioria dos políticos completamente ridicularizados, mas com ele a resposta é: ‘ah, é o bom e adorável Boris’. Ele consegue escapar com coisas que os outros não conseguem. Pode ser que as pessoas o achem simpático e por isso estão mais dispostas a fechar os olhos.”

Esta é a opinião partilhada pela generalidade dos membros do Partido Conservador que comentaram o caso nos meios de comunicação britânicos. Alguns consideram que o anuncio foi feito estrategicamente neste momento para que a quando da eleição do líder do partido já sejam “notícias antigas” que não podem ser usadas contra ele por “inimigos”. A maioria acredita que, dada a personalidade excêntrica que já é conhecida do público, é pouco provável que estas notícias surpreendam o eleitorado. “Está tudo contabilizado porque não acredito que as suas tontices [de Boris] venham a surpreender ninguém. Ele tem um historial de casos que é bem conhecido”, disse um deputado deputado também ao The Guardian.

Esta não é a primeira vez que os casos de traições de Boris Johnson fazem manchete. Em 2004, durante o primeiro mandato como deputado, foi afastado por ter mentido ao líder do partido sobre ter um alegado caso com uma jornalista. Nove anos mais tarde, quando ocupava o cargo de presidente da Câmara de Londres, foi tornado publico que teria uma filha de um caso extraconjugal que manteve com uma consultora de arte. O caso tornou-se público quando a mãe da criança perdeu a batalha judicial para manter a paternidade anónima — mais tarde, após a apresentação de um recurso, o tribunal ficou a saber que seria a segunda criança nascida fora do casamento com Wheeler.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)