Banca

Montepio ainda só recebeu 91 mil euros dos 48 milhões previstos

Parceria com instituições de solidariedade foi assinada em junho e previa criar um banco de economia social para ajudar as pequenas e médias empresas. Mas objetivo está longe de ser cumprido.

O presidente da associação mutualista Montepio, Tomás Correia

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Montepio ainda só recebeu 91 mil euros dos 48 milhões de euros que o seu presidente esperava receber de um conjunto de instituições da economia social. A três meses das eleições para a Associação Mutualista do Montepio Geral, o Público revela, na edição desta quarta-feira, que estes valores estão também muito longe dos 200 milhões de euros que a Santa Casa chegou a anunciar querer investir  no Montepio depois de uma parceria assinada em junho.

Destes 91 mil euros que o Montepio já recebeu, 75 mil euros vieram da Santa Casa, um valor aquém do prometido pelo seu dirigente, Edmundo Martinho, que falava em injetar 200 milhões de euros na Associação Mutualista. Um valor que levantou muitas críticas e que acabaria por descer para os 18 milhões de euros para não expor a Santa Casa a um setor de risco tão elevado. A União das Misericórdias contribuiu com cerca de 5 mil euros e 11 outras instituições particulares de solidariedade social com cerca de 11 mil euros. Aquando a parceria, também era suposto existirem mais instituições público-privadas a participar.

O presidente da associação mutualista Montepio, Tomás Correia, tem vindo a defender a criação de um banco de economia social para ajudar o país nas decisões estratégicas de investimento nas pequenas e médias empresas — numa altura em entidades estrangeiras dominam a banca e as seguradoras. Em junho o responsável fez uma parceria com uma série de instituições e anunciou que esperava que até final de 2018 o Montepio recebesse 48 milhões de euros dos parceiros. Mas já no último trimestre do ano o valor recebido está aquém do esperado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)