Rádio Observador

Corrupção

Portugal está melhor no combate à corrupção no comércio internacional

Portugal registou progressos no combate à corrupção no comércio internacional, segundo um relatório da organização Transparency International.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal registou progressos no combate à corrupção no comércio internacional, segundo um relatório da organização Transparency International.

Assim, revela esta entidade no trabalho “Exporting Corruption Report”, o país passou da lista de nações com implementação “limitada” da Convenção Anti-Suborno (Anti-Bribery Convention) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), em 2015, para a lista de países com “implementação moderada”, em 2018.

A organização, representada em Portugal pela Transparência e Integridade/TI Portugal, deu conta da aplicação desta convenção nos últimos quatro anos, distribuindo os países por quatro categorias: “Ativo, Moderado, Limitado e Pouca ou Nenhuma [implementação]. Os países analisados são responsáveis por mais de 80% das exportações mundiais”, adiantou a entidade em comunicado.

O estudo refere a abertura de quatro processos de corrupção internacional e o início de procedimentos legais para um caso em Portugal. O relatório dá conta do processo Rota do Atlântico, como exemplo, um caso que envolve o empresário José Veiga, detido por suspeita dos crimes de corrupção, tráfico de influências e participação em negócio, entre outros ilícitos.

“A Transparência e Integridade considera positiva a subida de Portugal, resultante em grande medida do progresso no número de investigações e de casos, e de uma maior mobilização de agentes que exigem que a lei e a Convenção da OCDE sejam efetivamente implementadas, nomeadamente através do aumento da cooperação internacional”, referiu a organização no mesmo documento.

O relatório aponta a “lentidão” da justiça e uma definição “vaga” do que são subornos como entraves a uma performance ainda melhor de Portugal. “Com as restrições atuais (recursos humanos e materiais limitados), parece que o aumento (no crescimento) de investigações pode causar atrasos significativos, levando ao constante adiamento de casos (pendentes) e à não abertura de novas investigações. Nessa medida, a Transparência e Integridade considera fundamental fortalecer tanto as autoridades judiciais, como as autoridades auditoras na sua capacidade de supervisão, e também aumentar a consciencialização no setor empresarial e na opinião pública”, explicou a entidade.

O relatório traça um cenário muito diverso a nível internacional e conclui que “apenas 11 das 44 jurisdições avaliadas tem uma conduta ativa ou moderada na fiscalização de empresas que subornam no exterior. São elas: Alemanha, Israel, Itália, Noruega, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos (implementação ativa); e ainda Austrália, Brasil, Portugal e Suécia (implementação moderada). Juntos, estes países são responsáveis por 30,8% das exportações mundiais”, garantiu a organização.

Por outro lado, “Brasil e Israel são os dois países que melhoraram drasticamente as suas classificações. Quatro países, responsáveis por 6,7% das exportações mundiais, têm níveis decrescentes na implementação da Convenção – Áustria, Canadá, Finlândia e Coreia do Sul -, com o maior declínio registado na Finlândia”, detalhou o comunicado.

Citada no documento, Susana Coroado, vice-presidente da TI Portugal, destacou a “falta de vontade política para proteger os denunciantes e apoiar a denúncia com interesse público”, como sendo “sem dúvida, um grande obstáculo a este esforço, bem como a deficiência crónica do sistema judicial”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)