Rádio Observador

Angola

Crise. Isabel dos Santos questiona “estratégia” do Governo angolano

232

Filha do antigo presidente angolano fala em "profunda recessão" económica no país e questiona-se sobre a "estratégia" que o Governo de João Lourenço vai seguir para combater atual a crise.

MANUEL ARAÚJO/LUSA

Afastada dos comandos da petrolífera estatal Sonangol, depois de o pai ter deixado a presidência de Angola, a filha do ex-presidente José Eduardo dos Santos recorreu ao twitter para lançar farpas ao atual presidente do país. Junto com uma imagem do preço do barril de petróleo nos mercados financeiros, Isabel dos Santos pergunta “qual a estratégia” do executivo para reverter a “profunda crise económica” em que Angola continua mergulhada.

“O preço do barril”, destaca a empresária, “está a atingir a barra de 80 dólares por barril” e há “quase um ano” que o petróleo “está em alta”. Mas mesmo esses fatores, fundamentais  não têm sido suficientes para puxar a economia angola para cima. “Angola está em recessão” e as empresas angolanas acumulam “perdas financeiras enormes”, assinala Isabel dos Santos. “Qual a estratégia?”, questiona-se.

No primeiro trimestre deste ano, a economia angolana arrecadou 8.350 milhões de dólares (6.800 milhões de euros), com uma produção abaixo do previsto mas com receitas acima daquilo que o Governo tinha fixado para esse mesmo período, devido ao elevado preço a que o barril estava a ser negociado (e que ainda era inferior ao atual). Entre janeiro e março, entraram mais 1,3 mil milhões de euros nos cofres do Estado.

Não é a primeira vez que a empresária recorre ao twitter para tentar pôr em cheque o Governo de João Lourenço. “Qual o investidor que vai entrar se não dão autorização aos atuais investidores estrangeiros para levarem os lucros em dólares”, questionou-se aquela que é considerada a mulher mais rica de África aquando de uma visita do presidente angolano a Bélgica e França.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)