O porta-voz da banda russa Pussy Riot foi hospitalizado em estado grave devido a um possível envenenamento, noticiaram órgãos de comunicação russos. A rádio Ekho Moskvy e o portal de notícias digital Meduza relataram na quarta-feira que Pyotr Verzilov está a receber assistência desde o dia anterior.

Segundo estes órgãos, outro elemento da banda de punk, Veronika Nikulshina, partilha dos mesmos sintomas, que incluem a perda de visão e da capacidade de falar. Nikulshina disse que Verzilov está a ser tratado na unidade de toxicologia de um hospital da capital russa, Moscovo, o que indicia um eventual envenenamento.

O grupo musical feminista é conhecido pelo seu ativismo político e pelas suas atuações anarco-artísticas. Verzilov, Nikulshina e duas outras ativistas da banda estiveram detidos durante 15 dias por perturbarem a final do campeonato mundial de futebol, que decorreu na Rússia, em julho. Os jovens, vestidos com uniformes da polícia, correram para o campo, interrompendo por momentos o jogo entre as seleções da França e da Croácia. Em caso estava o protesto contra os abusos cometidos pelas forças policiais na Rússia.

Correção: Pyotr Verzilov é o porta-voz da banda.