BCE

Ex-presidente do BCE alerta para risco do aumento do endividamento em todo o mundo

Segundo Jean-Claude Trichet, "a alavancagem financeira continuou com o mesmo ritmo" e que isso significa que há um grande risco em diferentes setores do sistema financeiro.

J.J.GUILLEN/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE) Jean-Claude Trichet alertou esta sexta-feira para o risco do aumento das dívidas públicas e privadas em todo o mundo e do recurso à alavancagem nos mercados financeiros como antes da crise financeira.

Trichet, que participava no encontro “O que aprendemos dez anos depois da queda do Lehman Brothers”, organizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) na sede da organização, em Paris, sublinhou que “a alavancagem financeira (técnica utilizada para multiplicar a rentabilidade através de endividamento) continuou com o mesmo ritmo” e que isso significa que há um grande risco em diferentes setores do sistema financeiro.

O ex-presidente do BCE também recordou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) calculou que o mundo está agora, em termos relativos, 12% mais endividado do que quando o banco norte-americano Lehman Brothers caiu em 15 de setembro de 2008, que marcou o início da última crise financeira.

Segundo o FMI, em 2016 atingiu-se um novo máximo histórico da dívida mundial, de 164 biliões de dólares, equivalente a 225% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e desde 2007 só a China é responsável por 43% do acréscimo.

O francês que foi o máximo responsável do BCE entre 2003 e 2011 sublinhou também outros fatores que estiveram na origem da última crise e que ainda não foram corrigidos, como a persistência de desequilíbrios macroeconómicos.

Trichet também alertou para o “ressurgimento do nacionalismo, do protecionismo, da xenofobia em todas as economias avançadas”, considerando que este é consequência da desconfiança gerada pela crise.

O ex-presidente do BCE afirmou que a lição da crise se traduziu em certas melhorias, considerando que “se fez um bom trabalho” na supervisão da banca e que houve uma convergência entre os bancos centrais das economias avançadas.

Para o ilustrar, Trichet contou que agora o BCE, a Reserva Federal norte-americana e os bancos centrais do Japão e de Inglaterra têm a mesma definição da estabilidade de preços.

Além do secretário-geral da OCDE, o mexicano Angel Gurria, no encontro da OCDE sobre o fim do Lehman Brothers participam entre outros, o economista chefe do FMI, Maurice Obstfeld ou o ex-ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
BCE

Arrivederci, Mario!

Jorge Silveira Botelho

Os que creem que as taxas de juro na Europa não sobem não se iludam. Quem de perfeito juízo acredita que Draghi deixará em mãos alheias o anúncio do fim do ciclo monetário que tão arrojadamente abriu?

Caixa Geral de Depósitos

Caixa para que te quero

Inês Domingos

Centeno quis a toda a força financiar a Caixa para lá do que seria aparentemente preciso, mas disse no Parlamento que não tem interesse no resultado da auditoria que revelou os desmandos socialistas. 

Liberalismo

Por uma alternativa política

Manuel Loureiro

Vivemos contentes com crescimentos poucochinhos, resignados a um aperto económico com que as famílias vivem? Se em 1974 ganhámos a democracia, não estará agora na hora de lutarmos pela liberdade?

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)