Saúde Pública

Febre suína africana já chegou à Bélgica

345

O surto que foi detetado na Roménia há umas semanas e que obrigou ao abate de 140 mil porcos continua a disseminar-se pela Europa. França e Holanda já estão em alerta máximo.

GettyImages

Um surto de febre suína africana tem surgido em várias suiniculturas um pouco por toda a Europa. De acordo com notícia do The Guardian, na Bélgica acabam de ser detetados os primeiros casos. Nos arredores da cidade de Étalle, em Gaume, foram descobertos dois javalis selvagens, já mortos, que estavam infetados com o vírus. Perante este episódio, vários agricultores já vieram pedir o abate massivo desta espécie, de forma a proteger as suiniculturas europeias.

Com as autoridades francesas e holandesas em alerta máximo, o ministro da agricultura belga, René Collin, ordenou a proibição da caça destes animais até meados de outubro e uma série de restrições ao transporte de suínos numa zona de 63 mil hectares no sul da Bélgica. Caminhantes e campistas também foram aconselhados a restringirem os seus percursos a trilhos já existentes, tudo isto enquanto 67 quintas estão a ser analisadas, para perceber se nalguma delas já existem animais infetados.

Os últimos casos de febre suína africana reportados na Bélgica datam de 1985 e levaram ao abate de cerca de 30 mil porcos. A doença causa intensas hemorragias e, para os animais, é incurável. Não há qualquer indício de que seja perigosa para humanos. A descoberta da doença na segunda maior quinta de porcos da Europa, que fica na Roménia, fez com que 140 mil animais tivessem de ser abatidos no mês passado.

O maior sindicato agrícola da Bélgica, o Syndicat Agricole Général, já exigiu o “imediato, controlado e coordenado fuzilamento de javalis selvagens em todo o território belga”. Um representante desta associação afirmou: “Só assim é que o surto pode ser isolado e limitado à zona onde o vírus foi detetado. Só então é que esta bomba-relógio será desmantelada. Nenhuma outra opção é viável.”

O governo belga já pediu calma e a Comissão Europeia afirmou que vai enviar vários peritos para coordenar as operações de contenção, juntamente com as autoridades do país em questão. O comissário da saúde, Vytenis Andriukaitis, deverá reunir-se com o executivo na próxima segunda-feira. Um porta-voz da Comissão Europeia revelou que “ainda este fim-de-semana” serão enviados “peritos” à zona onde foram detetados os dois focos de infeção.

Kris Peeters, o ministro do consumo e da economia belga, disse que o governo precisa de assegurar aos mercados de carne belga que o problema está controlado. “Temos de garantir a esses países de que vamos acompanhar de forma intensa o desenrolar dos acontecimentos, de forma a que as nossas exportações não saiam prejudicadas”.

A febre suína africana foi eliminada na Europa na década de 90, através de vários esforços concertados de abate e controlo. Métodos mais modernos de suinicultura também ajudaram.  Em 2014 houve um ressurgimento na Europa central e de leste, tendo sido detetados casos na Lituânia, Polónia, Letónia e Estónia. Outros surtos também foram reportados na zona este da Republica Checa, em junho de 2017. Este ano voltaram a aparecer na Roménia e na Hungria.

Têm sido feitos grandes esforços para afastar a doença das zonas onde a produção de suínos é mais preponderante, nomeadamente, o noroeste do continente europeu.

A Alemanha ofereceu assistência às autoridades da Europa de leste e a Dinamarca já anunciou que planeia construir uma vedação ao longo da fronteira com a Alemanha, de forma a afastar animais infetados (este país nórdico é um dos principais produtores de porcos da Europa).

Já é discutida, com algum medo, a hipótese de que exportações para países fora da UE — o maior exportador de porcos do mundo — possam ser canceladas, caso a doença não seja controlada.

Nas últimas semanas, autoridades chinesas já ordenaram abates um pouco por todo o país, assim como a proibição do transporte de porcos vivos. A decisão deu-se depois de terem sido detetados surtos em 10 províncias do país.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)