Educação

Governo anuncia que vão ser abertas 100 novas salas no ensino profissional

O ensino profissional vai contar com 100 novas salas ainda este ano, anunciou o primeiro-ministro, referindo que o Governo pretende continuar a valorizar a importância deste tipo de ensino.

Paulo Cunha/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ensino profissional vai contar com 100 novas salas ainda este ano, anunciou esta sexta-feira o primeiro-ministro, António Costa, referindo que o Governo pretende continuar a valorizar a importância deste tipo de ensino.

“Este ano, vão abrir mais 100 novas salas de ensino profissional“, afirmou António Costa, referindo que essa medida vai ao encontro da meta do Governo de garantir que metade dos jovens frequentam o secundário no ensino profissional. Para o primeiro-ministro, a valorização do ensino profissional é “essencial para todos aqueles que, independentemente do seu gosto e das suas aptidões, sintam que a escola é sempre o espaço para contribuir para a sua realização”.

Numa intervenção na cerimónia de inauguração do Núcleo Escolar da Branca, em Coruche, distrito de Santarém, António Costa frisou que a grande prioridade do Governo gira em torno do sucesso educativo, que entende que não é apenas ensinar a ler e a escrever, mas também a formar cidadãos.

Nesse sentido, para garantir o sucesso educativo, o líder do Governo salientou a importância não apenas do ensino profissional, mas também do ensino artístico integrado, do pré-escolar e de garantir que a escola é “cada vez mais inclusiva”. “Há crianças que têm necessidades educativas especiais, mas o ter necessidades educativas especiais só significa que temos que ter ainda mais atenção e ainda mais empenho para as acolher na escola e que façam um percurso na escola com os seus colegas, da sua idade, para também poderem ter uma participação ativa na nossa sociedade”, sublinhou.

À saída da cerimónia, António Costa evitou prestar declarações aos jornalistas presentes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crianças

Os chimpanzés não contam histórias

Eduardo Sá
163

Uma escola de Barcelona retirou livros como "A Bela Adormecida" e o "Capuchinho Vermelho", por as considerarem histórias tóxicas ou sexistas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar.

caderno de apontamentos

Seremos livres? /premium

Maurício Brito
743

Os resultados a que chegámos permitem-nos afirmar que a despesa com a recuperação total do tempo de serviço dos professores rondaria os 300 milhões de euros – metade do valor que o governo apresenta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)