Furacão

Mãe e bebé estão entre as primeiras cinco vítimas mortais da tempestade tropical Florence

113

Uma mãe e um bebé foram mortas pela queda de uma árvore e estão entre as primeiras cinco vítimas da tempestade tropical Florence que atingiu a costa leste dos Estados Unidos.

AFP/Getty Images

Uma mãe e um bebé foram mortas pela queda de uma árvore e estão entre as primeiras quatro vítimas da tempestade tropical Florence, na Carolina do Norte, nos Estados Unidos.

Segundo fontes policiais, a árvore caiu na habitação das vítimas em Wilmington. O pai da criança sobreviveu e foi levado para o hospital.

De acordo com o New York Times, uma outra pessoa morreu quando ligava um gerador. A tempestade esteve também na origem de uma quarta morte — uma mulher teve um ataque cardíaco e não foi socorrida a tempo devido às árvores caídas que bloquearam a rua e atrasaram os paramédicos. A CNN avança que uma quinta vítima morreu quando saiu de casa para verificar se os seus cães estavam bem.

Na cidade de New Bern, Carolina do Norte, cerca de 360 pessoas foram resgatadas depois de as suas habitações terem ficado inundadas. Segundo as autoridades desta pequena cidade que se localiza perto da confluência de dois rios, pelo menos 140 aguardam ainda resgate, tendo-se abrigado em segundos andares e sótãos das habitações, cita a AP.

O Florence tem perdido força nas últimas horas, tendo passado na noite desta sexta-feira para a categoria de tempestade tropical. Ainda assim, segundo o mais recente boletim do National Hurricane Center emitido às 17h locais (21h em lisboa), mantém o seu potencial destrutivo pelo perigo de marés ciclónicas, inundações e precipitações intensas que representam uma “ameaça à vida”. Há também a probabilidade da ocorrência de tornados durante a noite na região mais a este da Carolina do Norte.

AFP/Getty Images

[em atualização]

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Furacão

Pssst, dr. Costa. Houve um furacão no país /premium

Filomena Martins
800

Para quem faz da descentralização uma bandeira, ignorar uma catástrofe no centro do país revela além da insensibilidade genética outra verdade: que tudo são promessas lançadas (literalmente) ao vento.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)