Economia

Ryanair chega a acordo com sindicatos italianos sobre contrato coletivo de trabalho

A companhia aérea Ryanair informou que chegou a consenso com os principais sindicatos italianos para assinatura do acordo coletivo de trabalho, que entra em vigor em outubro.

FRIEDEMANN VOGEL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A companhia aérea Ryanair informou esta sexta-feira que chegou a consenso com os principais sindicatos italianos representativos da tripulação de cabine para assinatura do acordo coletivo de trabalho, que entra em vigor em outubro.

Em comunicado, a transportadora indica que se reuniu na quinta-feira, em Roma, com os “principais sindicatos representativos da tripulação de cabine”, entre os quais a Federação Italiana de Transporte (FIT-CISL), Associação Nacional dos Profissionais da Aviação Civil (ANPAC) e a Associação Nacional dos Profissionais de Assistentes de Voo (ANPAV) daquele país.

Na ocasião, “foram acordados e assinados os princípios que servirão de base ao acordo coletivo de trabalho que abrangerão a tripulação de cabine que trabalha para a Ryanair”, que entrará em vigor em 01 de outubro. As partes envolvidas estão, agora, na “fase de conclusão dos termos e condições” do documento, adianta a empresa. O acordo surge após a Ryanair ter reconhecido, no final de julho, estas estruturas italianas.

Segundo indica a transportadora aérea, o acordo coletivo de trabalho em causa estará em vigor durante três anos, até dezembro de 2021, e estipula que os contratos da tripulação italiana a trabalhar na Ryanair sejam adequados à legislação e à justiça nacional.

Ao mesmo tempo, o documento possibilita que a tripulação de cabine italiana tenha contratos locais por um período acordado, prevendo ainda um novo plano de pensões, uma nova estrutura de remuneração para aumento dos salários e ainda isenção de alguns impostos.

Citado no comunicado, o responsável pelos recursos humanos da Ryanair, Eddie Wilson, disse esperar que o acordo seja assinado “no final de setembro”, visando “melhorias significativas nos salários e outras para a tripulação de cabine italiana” da empresa. “Este acordo é mais um sinal do esforço significativo que a Ryanair está a fazer para chegar a acordo com os sindicatos em diferentes países da União Europeia”, assinala.

Eddie Wilson rejeita ainda “as falsas acusações de pequenos sindicatos de que não estão a ser envolvidos nas negociações e que ameaçam com greves […], que não terão êxito”. O responsável alude, assim, à greve convocada para dia 28 de setembro abrangendo pessoal de cabine da Holanda, Itália, Espanha e Portugal.

Esta será a segunda greve europeia na Ryanair, já que os sindicatos que representam a tripulação de cabine realizaram a 25 e 26 de julho passados uma greve em Espanha, Portugal, Itália e Bélgica. A paralisação em Itália só se realizou no primeiro dos dois dias.

As estruturas voltaram agora a convocar uma ação conjunta, que conta com a participação de sindicatos italianos, o português Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), uma estrutura sindical belga, duas espanholas e uma holandesa. Em cima da mesa está, nomeadamente, a exigência para que os contratos de trabalho da Ryanair sejam feitos, segundo a lei laboral nacional de cada país, e não a irlandesa, que tem sido a usada pelo grupo.

A Ryanair tem estado envolvida num conflito com sindicatos a nível europeu, também com impacto em Portugal, nomeadamente depois de uma greve da tripulação de cabine em abril, em que a empresa foi acusada de intimidar os trabalhadores.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)