Economia

Ryanair chega a acordo com sindicatos italianos sobre contrato coletivo de trabalho

A companhia aérea Ryanair informou que chegou a consenso com os principais sindicatos italianos para assinatura do acordo coletivo de trabalho, que entra em vigor em outubro.

FRIEDEMANN VOGEL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A companhia aérea Ryanair informou esta sexta-feira que chegou a consenso com os principais sindicatos italianos representativos da tripulação de cabine para assinatura do acordo coletivo de trabalho, que entra em vigor em outubro.

Em comunicado, a transportadora indica que se reuniu na quinta-feira, em Roma, com os “principais sindicatos representativos da tripulação de cabine”, entre os quais a Federação Italiana de Transporte (FIT-CISL), Associação Nacional dos Profissionais da Aviação Civil (ANPAC) e a Associação Nacional dos Profissionais de Assistentes de Voo (ANPAV) daquele país.

Na ocasião, “foram acordados e assinados os princípios que servirão de base ao acordo coletivo de trabalho que abrangerão a tripulação de cabine que trabalha para a Ryanair”, que entrará em vigor em 01 de outubro. As partes envolvidas estão, agora, na “fase de conclusão dos termos e condições” do documento, adianta a empresa. O acordo surge após a Ryanair ter reconhecido, no final de julho, estas estruturas italianas.

Segundo indica a transportadora aérea, o acordo coletivo de trabalho em causa estará em vigor durante três anos, até dezembro de 2021, e estipula que os contratos da tripulação italiana a trabalhar na Ryanair sejam adequados à legislação e à justiça nacional.

Ao mesmo tempo, o documento possibilita que a tripulação de cabine italiana tenha contratos locais por um período acordado, prevendo ainda um novo plano de pensões, uma nova estrutura de remuneração para aumento dos salários e ainda isenção de alguns impostos.

Citado no comunicado, o responsável pelos recursos humanos da Ryanair, Eddie Wilson, disse esperar que o acordo seja assinado “no final de setembro”, visando “melhorias significativas nos salários e outras para a tripulação de cabine italiana” da empresa. “Este acordo é mais um sinal do esforço significativo que a Ryanair está a fazer para chegar a acordo com os sindicatos em diferentes países da União Europeia”, assinala.

Eddie Wilson rejeita ainda “as falsas acusações de pequenos sindicatos de que não estão a ser envolvidos nas negociações e que ameaçam com greves […], que não terão êxito”. O responsável alude, assim, à greve convocada para dia 28 de setembro abrangendo pessoal de cabine da Holanda, Itália, Espanha e Portugal.

Esta será a segunda greve europeia na Ryanair, já que os sindicatos que representam a tripulação de cabine realizaram a 25 e 26 de julho passados uma greve em Espanha, Portugal, Itália e Bélgica. A paralisação em Itália só se realizou no primeiro dos dois dias.

As estruturas voltaram agora a convocar uma ação conjunta, que conta com a participação de sindicatos italianos, o português Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), uma estrutura sindical belga, duas espanholas e uma holandesa. Em cima da mesa está, nomeadamente, a exigência para que os contratos de trabalho da Ryanair sejam feitos, segundo a lei laboral nacional de cada país, e não a irlandesa, que tem sido a usada pelo grupo.

A Ryanair tem estado envolvida num conflito com sindicatos a nível europeu, também com impacto em Portugal, nomeadamente depois de uma greve da tripulação de cabine em abril, em que a empresa foi acusada de intimidar os trabalhadores.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Governo

Promete agora, suspende depois /premium

Alexandre Homem Cristo

Nos dossiers Infarmed e descongelamento da carreira dos professores, o governo seguiu um mesmo caminho: prometeu por conveniência, avaliou o impacto, e por fim suspendeu, dando o dito por não dito.

Rússia

Putin pode ser batido em eleições limpas? /premium

José Milhazes

Julgando-se “donos daquilo tudo”, os senhores da Rússia descuidaram-se e criaram um mau precedente, sobretudo num momento em que medidas como o aumento da idade das reformas são fortemente contestadas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)