Agências de Rating

Standard & Poor’s não mexe no rating, mas tem perspetiva positiva sobre Portugal

Standard & Poor's não mexeu no rating da dívida portuguesa, mas mudou a perspetiva de estável para positiva. Ministério das Finanças diz que é resultado de políticas de Governo.

JUSTIN LANE/EPA

A Standard & Poor’s manteve o rating da dívida pública portuguesa na nota BBB-, mas mudou a perspetiva da economia de estável para positiva. Esta mudança sinaliza a possibilidade de subida da nota numa próxima revisão. A melhoria, diz a agência de rating, está dependente da manutenção do ritmo de redução da dívida do Estado e dos privados, bem como do progresso na estabilidade financeira.

Um dos temas a que Standard & Poor’s vai estar atenta às condições de crédito de Portugal e à crescente convergência com a média da zona euro, face à redução da política de compra de ativos anunciada pelo Banco Central Europeu. E vai dar muita atenção aos custos do financiamento e aos níveis ainda elevados do crédito malparado no sistema bancário.

A S&P foi a primeira das três grandes agências a retirar a dívida portuguesa do lixo e a promovê-la a nível de investimento (investment grade) há cerca de um ano, mas desde então não voltou a elevar esta nota. A Moody’s é a única que ainda mantém uma classificação equivalente a lixo.

A S&P prevê um crescimento anual para Portugal perto dos 2% até 2021, um abrandamento face à previsão de 2,3% para este ano. O défice do Estado deverá continuar a cair para 0,4% do Produto Interno Bruto em 2020, sendo que este ano se deverá situar nos 0.7%.

A passagem para perspetiva positiva é o o aspeto mais assinalado pelo Ministério das Finanças para quem este passo “reflete a confiança na sustentabilidade dos progressos registados na evolução da economia portuguesa e na gestão das contas públicas, com destaque para as projeções de um crescimento económico robusto, a diminuição da dívida externa, o dinamismo do setor exportador e a solidez do processo de consolidação orçamental. De notar também os progressos alcançados no reforço da estabilidade financeira, entre os quais a redução significativa do rácio do crédito mal parado”.

Para o ministério tutelado por Mário Centeno, este desenvolvimento é também resultado das políticas do Governo, destacando a estabilização do sistema financeiro e o equilíbrio de contas. É uma perspetiva que nos traz responsabilidade, afirmou o ministro das Finanças aos jornalistas.

“Esta notícia vem no conjunto de outras avaliações que diferentes instituições têm feito sobre o desenvolvimento da economia, das finanças públicas, do sistema financeiro em Portugal. São o resultado de um conjunto de políticas que nos propusemos implementar ao longo da legislatura (…). Um enorme esforço com sucesso assinalado pela Standard & Poor’s”, disse ainda o ministro das Finanças”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)