Futebol

Vítor Oliveira considera “exagero” privar as pessoas de irem ao Estádio

O treinador do Paços de Ferreira considerou os jogos à porta fechada penalizadores de uma maioria sem responsabilidades no castigo aplicado.

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O treinador do Paços de Ferreira considerou, esta sexta-feira, que os jogos à porta fechada são penalizadores de uma maioria sem responsabilidades no castigo aplicado, mas que é preferível cumpri-lo na Taça da Liga do que na II Liga de futebol.

Para Vítor Oliveira, que falava à margem da conferência de antevisão ao jogo com o Desportivo das aves, no sábado, “é sempre desagradável este tipo de situações”, quando se tem tão poucas pessoas no futebol e ainda se fecha as portas aos que querem ver. “Há muita gente que não tem culpa do que aconteceu, mas os regulamentos estão assim definidos. Os clubes têm de rever se realmente é isto que interessa ao futebol, castigar os clubes com jogos à porta fechada ou alterar e, por exemplo, colocar câmaras nos estádios para tentar detetar os prevaricadores, por forma a serem castigados e afastados dos campos de futebol”, justificou Vítor Oliveira.

O experiente técnico dos pacenses reiterou que “é um exagero castigar toda a gente por um erro de três ou quatro pessoas”, mas, face à inevitabilidade de cumprir a suspensão, concordou com a direção e a decisão de realizar o jogo à porta fechada na Taça da Liga. “Sobre a alteração do jogo, o meu parecer junto da direção foi que deveria ser neste jogo da Taça da Liga, porque o nosso grande objetivo é o campeonato e nesta prova precisamos de todos os pacenses. Os jogos do campeonato são muito mais importantes, embora todos os jogos são importantes”, argumentou.

Sem nunca se referir diretamente ao Desportivo das Aves e à indignação manifestada pelo emblema avense num comunicado em que é colocada a possibilidade de corte de relações institucionais, Vítor Oliveira reconheceu que a decisão pacense, comunicada a 48 horas do jogo, “foi muito em cima”, mas “as pessoas têm de perceber que o Paços tem os seus interesses”. “E o interesse fundamental (do Paços) é nos jogos do campeonato termos uma boa moldura humana, termos todos os pacenses a apoiar-nos incondicionalmente a caminho da vitória”, concluiu Vítor Oliveira.

O Paços de Ferreira foi punido na terça-feira pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol com a realização de um jogo à porta fechada devido ao comportamento dos seus adeptos em jogos da temporada 2017/18, numa penalização extensiva ao Benfica e ao Sporting de Braga, mas decidiu não recorrer, o que teria efeitos suspensivos da decisão. Em função disso, o castigo será executado no primeiro jogo oficial, o que acontecerá no encontro diante do Desportivo das Aves, no sábado (15h30), para a Taça da Liga.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Questões afetivas, sexuais e outras /premium

Laurinda Alves

Ler o que escreve Halík dá que pensar e ajuda a pôr muita coisa em perspetiva. Amanhã estará em Lisboa e vai, também ele, encher auditórios e anfiteatros. Vem para colocar o dedo em muitas feridas.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)