O furacão Helene — que já se faz sentir nos Açores, embora como tempestade tropical — deverá chegar ao arquipélago pelas 00h30 deste domingo, referiu a SIC. A intensidade do vento e agitação marítima continuá a aumentar até essa hora, com as rajadas a poderem atingir os 140 quilómetros por hora, adiantou à Agência Lusa o presidente da Proteção Civil dos Açores, Carlos Neves. A intensidade média do vento pode chegar aos 100 quilómetros por hora.

Durante a manhã, num comunicado enviado às redações, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) deu conta dos primeiros indícios da aproximação do furacão, que se tem feito notar com “a ocorrência de alguma precipitação e um ligeiro aumento da intensidade do vento e da agitação marítima”.  Às 9h dos Açores (menos uma hora que Lisboa), o centro da tempestade localizava-se a 374 quilómetros a oeste-sudoeste da ilha das Flores, no grupo ocidental do arquipélago dos Açores.

As ilhas Flores e Corvo estão sob alerta vermelho de chuva, vento e agitação marítima. As duas ilhas, que compõem o grupo ocidental do arquipélago dos Açores, serão as mais afetadas, prevendo-se precipitação forte, vento com rajadas até cerca de 140 uilómetros por hora e agitação marítima que poderá atingir os oito a 12 metros. Existe “uma probabilidade elevada” de entre 80 a 90% de a tempestade passar “muito perto ou sobre o grupo ocidental” na madrugada de domingo.

No grupo central – as ilhas Terceira, Graciosa, Pico, Faial e São Jorge – “deverá também verificar-se um agravamento do vento, precipitação e agitação marítima, mas com menor intensidade”, ao passo que o grupo oriental – São Miguel e Santa Maria – “deverá ser o menos afetado pela tempestade”. “Espera-se que durante o dia de domingo, dia 16, esta tempestade passe a pós-tropical/extratropical devendo continuar a sua trajetória para nordeste, afastando-se do arquipélago”, referiu o IPMA.

Arquipélago aguarda chegada do Helene sem registo de ocorrências graves

O presidente da Proteção Civil dos Açores adiantou ainda à Agência Lusa que, até às 20h deste sábado, não havia registo de quaisquer ocorrências nas ilhas do grupo ocidental, depois de os meios destacados no terreno terem feito uma inspeção aos pontos considerados mais críticos, nas estradas e nas linhas de água.

No Pico, que pertence ao grupo central, registou-se a queda de uma árvore. Não causou estragos nem feridos.

A Proteção Civil dos Açores anunciou na sexta-feira que ia reforçar os meios humanos no grupo ocidental, enviando um dispositivo operacional e uma equipa da Direção Regional de Saúde para as Flores e o Corvo por causa da tempestade Helene, que já foi um furacão de categoria 2.

Em comunicado, o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores adiantou ainda que “as diversas entidades com responsabilidade no âmbito da Proteção Civil estarão todas de prevenção a partir deste sábado, nomeadamente os Serviços Municipais de Proteção Civil, as direções regionais das Obras Públicas e Comunicações, do Ambiente e da Saúde, assim como todas as 17 corporações de bombeiros da região.

Marcelo está a acompanhar situação

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, que está a acompanhar a situação meteorológica nos Açores, apelou à “serenidade e resiliência dos açorianos”, manifestando a sua confiança “nas medidas preventivas desenvolvidas pelas autoridades do arquipélago. Na página oficial da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa explicou que se mantém em contacto, desde sexta-feira, com o presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro.

País de Gales em alerta amarelo por causa do Helene

O serviço de meteorologia britânico emitiu um alerta amarelo por causa da passagem do Helene pela costa do Reino Unido. O furacão deve chegar ao País de Gales ao final da tarde de segunda-feira, fazendo-se sentir até cerca das 12h de terça-feira. São esperados “ventos muito fortes” que podem provocar “danos e colocar vidas em risco”.

“Espera-se que a tempestade Helene chege ao nordeste do Reino Unido ao final do dia de segunda-feira, antes de seguir rapidamente para o norte da Escócia na terça-feira de manhã”, disse o porta-voz do serviço de meteorologia, citado pela BBC. “Ainda não se sabe ao certo qual será o percurso do Helene, mas esperam-se ventos muito fortes em algumas zonas do sudoeste de Inglaterra e do oeste do País de Gales.” As rajadas poderão atingir os 128 quilómetros por hora.