Rádio Observador

Agricultura

Portugal quer criar Câmara de Agricultura Luso-Angolana

Ideia foi anunciada pelo ministro da Agricultura português, durante a visita a Luanda, como uma forma de fomentar o contacto entre empresários do setor dos dois países.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O ministro da Agricultura português afirmou, esta segunda-feira, em Luanda, que Portugal e Angola querem criar uma câmara agrícola luso-angolana para fomentar o contacto entre empresários do setor dos dois países.

Luís Capoulas Santos falava à Lusa à margem de um encontro do primeiro-ministro António Costa, que cumpre esta segunda-feira o primeiro de dois dias de uma visita de trabalho a Angola, com empresários portugueses numa unidade hoteleira de Luanda.

“No plano empresarial, é óbvio que não são os governos que tutelam, e daí o nosso objetivo de criar uma câmara de agricultura luso-angolana para que haja um contacto permanente entre os empresários dos dois países”, afirmou Capoulas Santos, uma vez que Angola quer atrair empresários portugueses para o setor.

Segundo o governante português, não basta vontade política, bons programas e disponibilidade de meios financeiros, pelo que tem de haver uma capacidade de gestão. “Mas tem de ser uma gestão profissional das empresas e dos projetos e esse é um problema com que Angola se confronta. Daí que a capacitação e a formação é uma questão fundamental e a presença de técnicos e empresários portugueses é fundamental para garantir o sucesso dos projetos”, sublinhou.

Para Capoulas Santos, quando se consegue juntar os fatores recursos naturais, bom clima, solo fértil, água em abundância, investimento e capacidade de gestão “estão as condições reunidas para que as empresas tenham sucesso”. “Mas há ainda o problema das infraestruturas, pois há muitos bons locais para produzir em que não há eletricidade, nem acessibilidades, mas essa é uma outra questão, que já transcende o acordo agrícola”, frisou.

No plano institucional, indicou que Portugal vai administrar um fundo de 60 milhões de euros disponibilizados pela União Europeia (UEE), em que 48 milhões são especificamente dirigidos a projetos agrícolas.

“Temos um conjunto de ações e, felizmente, desta vez, algo extremamente muito importante, que é um instrumento financeiro. Angola negociou e procurou um acordo com a União Europeia que irá financiar a agricultura angolana para combater a fome e a subnutrição nalgumas províncias mais afetadas pelas alterações climáticas para garantir o aumento do auto aprovisionamento alimentar”, lembrou. “Temos neste momento circunstâncias muito favoráveis, uma vez que existe vontade política e instrumentos financeiros que queremos agora traduzir em ações concretas em vários aspetos, em que destacaria as questões sanitárias e fitossanitárias”, realçou.

Para Capoulas Santos, um país com as condições climáticas de Angola, existem problemas “enormes” de sanidade animal e vegetal que impedem, por exemplo, o país de exportar, além da salubridade que é necessário garantir aos consumidores angolanos e para aumentar a competitividade e produtividade das explorações. “Dentro de duas semanas, estarão em Angola técnicos do nosso Instituto de Investigação Agrária para iniciar a colaboração concreta com um programa que tem três fases: uma de confirmação das prioridades, outra de discussão com os destinatários e uma terceira de execução física desses projetos”, destacou.

O ministro português lembrou que os efeitos da crise angolana e das relações “irritantes” entre os dois países “não foram muito visíveis” no setor agrícola, uma vez que as duas partes mantiveram sempre a cooperação. “Mantivemos sempre a cooperação. Eu próprio vim aqui a Angola, o ministro da Agricultura [angolano] foi duas ou três vezes a Portugal, assinamos acordos de cooperação e estamos agora numa fase mais adiantada, o que permite passarmos à fase da concretização”, explicou. O que vai ser assinado em Luanda, prosseguiu, já não é um protocolo de colaboração, porque existe há quase um ano, mas o plano de ação que dele decorre, para que se possa traduzir em ações calendarizadas e quantificadas a cooperação prática nos planos institucional e empresarial.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)