Rádio Observador

Prémios Emmy

#Emmysowhite, um pedido de casamento e duas séries vencedoras: “Game of Thrones” e “The Marvelous Mrs. Maisel”

Numa noite de Emmy em que a diversidade foi mais proclamada do que premiada, "Game of Thrones" e "The Marvelous Mrs. Maisel" foram vencedoras. "The Handmaid's Tale" e "Atlanta" saíram derrotadas.

ROBYN BECK/AFP/Getty Images

O grande duelo da noite era entre duas das séries mais vistas e mais rentáveis dos últimos anos. De um lado estava “Game of Thrones”, grande aposta do canal de televisão por cabo norte-americano HBO, vencedora do Emmy de melhor série dramática em 2015 e 2016. Do outro lado estava “The Handmaid’s Tale”, série exibida na plataforma de streaming Hulu, que venceu o mesmo prémio Emmy no ano passado — ano em que, por sinal, “Game of Thrones” não esteve elegível a concurso (devido à estreia tardia da sexta temporada). Foram as duas séries com mais nomeações para os prémios Emmy deste ano e, ao contrário do último ano, desta vez enfrentavam-se numa das grandes categorias da noite. Quem levaria a melhor?

A noite (madrugada em Portugal) trouxe a resposta: “Game of Thrones” venceu mesmo aquela que muitos consideram a categoria mais destacada dos prémios, a de melhor série dramática. A estação por cabo que a exibe, HBO, acabou por ter assim um bom prémio de consolação, depois de se ver pela primeira vez ultrapassada nas nomeações (112 contra 108) e igualada nas vitórias (23 galardões cada) por um serviço de streaming televisivo, no caso a Netflix, nos prémios mais prestigiados da indústria televisiva dos Estados Unidos da América. A derrota de “The Handmaid’s Tale” não se cingiu apenas à categoria de melhor série dramática: na categoria de melhor atriz principal, por exemplo, a protagonista Elisabeth Moss era uma das grandes favoritas e viu Claire Foy, do elenco da série “The Crown”, levar o prémio para casa.

A diversidade que não se viu e o pedido de casamento

O anúncio final da vitória de “Game of Thrones” pôs fim a uma longa maratona televisiva de três horas. A 70.ª cerimónia dos prémios Emmy decorreu na noite desta segunda-feira (madrugada em Portugal) no teatro Microsoft, em Los Angeles, no estado da Califórnia. Foi uma gala com poucos momentos memoráveis, ficando na retina a proclamação de uma maior diversidade étnica e racial nas nomeações, por parte de atores, produtores e executivos da indústria televisiva, que não se traduziu em maior diversidade nos vencedores.

Uma das figuras do entretenimento que o notou foi o multifacetado humorista, apresentador, ator, argumentista, cantor e produtor televisivo britânico James Corden, quando falou em #Emmysowhite (#prémiosEmmytãobrancos) a partir do palco. Não se enganou: nas principais categorias, a atriz Thandie Newton, do elenco de Westworld, foi a única a subir a palco para receber um prémio Emmy, na categoria de melhor atriz secundária de uma série dramática, entre realizadores, atores e argumentistas negros, Regina King foi a segunda atriz negra a vencer um prémio (entre 12), na categoria de Atriz Principal de séries curtas mas com episódios longos e independentes entre si, pelo seu papel em “Seven Seconds”. Sandra Oh, alvo de uma nomeação histórica que a tornou a primeira mulher de ascendência asiática a ser indicada para o Emmy de melhor protagonista de uma série dramática, saiu de Los Angeles sem o prémio.

Num polo oposto, houve um momento memorável e que motivou surpresa e aplausos de quase todos os que se deslocaram ao teatro Microsoft, esta segunda-feira: quando subiu ao palco para receber o prémio de melhor realização de um especial de variedades, musical ou de comédia pelo seu trabalho de direção da cerimónia dos Óscares, feito para a estação televisiva ABC, o produtor e realizador Glenn Weiss, de 57 anos, dirigiu-se à namorada, Jan Svendsen. “Perguntas-me porque é que não gosto de te chamar minha namorada”, introduziu, para logo a seguir responder: “Porque quero chamar-te minha mulher”. Revelando que a sua mãe tinha falecido há duas semanas, Weiss chamou a então ainda namorada, em vias de se tornar noiva, ao palco. Depois de ela lhe dizer o esperado “sim”, colocou-lhe no dedo o anel “que o meu pai pôs à minha mãe, há 67 anos”. Mais tarde, o humorista e apresentador John Oliver agradeceu a Jan Svendsen: “Ainda bem que disse que sim. Poderíamos estar a falar aqui de uma noite completamente diferente”.

Na comédia, “Marvelous Mrs. Maisel” goleou “Atlanta”

Na categoria de “Melhor Série Cómica”, o vencedor seria sempre uma surpresa. Afinal, desde 2007, apenas três séries venceram este Emmy e nenhuma estava este ano a concurso. Eram elas “Veep” (que venceu nos três últimos anos), “30 Rock” e “Uma Família Muito Moderna”. A última não foi nomeada para “Melhor Série Cómica” pela primeira vez desde que chegou à televisão, em 2009. A vitória teria, assim, de ir para uma das seis séries nomeadas este ano: “Atlanta”, “Barry”, “black-ish”, “Curb Your Enthusiasm” , “Glow” e “The Marvelous Ms. Maisel”.

“Marvelous Mrs. Maisel”, da Amazon, bateu a concorrência e não apenas na principal categoria destinada às séries de comédia. A série criada por Amy Sherman-Palladino venceu em mais quatro grandes categorias: a de melhor atriz principal de uma série de comédia, pelo desempenho de Rachel Brosnahan (interpreta a personagem Miriam “Midge” Maisel), a de melhor atriz secundária de uma série cómica, devido à interpretação de Alex Borstein da personagem Susie Myerson, a de melhor argumento de uma série humorística e a de melhor realização. O argumento foi escrito por Amy Sherman-Palladino (que também dirigiu) e por alguns colaboradores da criadora da série, como o marido Daniel Palladino, também produtor executivo, Kate Fodor e Sheila R. Lawrence.

A série “Barry” somou também duas importantes vitórias no segmento da comédia, vencendo nas categorias de melhor ator secundário — Harry Winkler, que aos 72 anos e à sexta nomeação venceu o seu primeiro Emmy pela interpretação da personagem Gene Cousineau — e melhor ator principal, conquistado por Bill Hader, que interpreta o protagonista que dá nome à série, Barry Berkman.

Quem saiu praticamente de mãos a abanar, não conquistando nenhuma das principais categorias para as quais estava nomeada (melhor série de comédia, melhores atores principal e secundário de uma série de comédia e melhor atriz secundária de uma série desse segmento) foi “Atlanta”. A série cómico-dramática criada pelo criativo Donald Glover, que também é humorista, DJ, rapper e cantor, que é conhecido na música pelo nome Childish Gambino e que em “Atlanta” é criador, argumentista e ator principal, foi aclamada pela crítica televisiva desde que estreou, mas venceu apenas duas categorias técnicas dos prémios Emmy e uma categoria menor de interpretação, a de Melhor Ator Convidado de uma Série de Comédia, pela prestação de Katt Williams. Estava nomeada para 13 galardões nesta noite.

Pouca política, pouco #Metoo, algumas homenagens

Naquela que foi a primeira cerimónia dos prémios Emmy a decorrer depois das denúncias de assédio sexual de que o grande produtor de Hollywood, Harvey Weinstein, foi alvo, que resultaram depois no aumento de denúncias de sexismo e assédio sexual que resultaram no movimento #Metoo, ouviram-se poucos comentários sobre desigualdade de género na indústria televisiva. Curiosamente, o início da 70ª cerimónia dos prémios Emmy até pareceu sugerir que o tema seria predominante, já que o monólogo inicial dos apresentadores — Michael Che e Colin Jost, humoristas do segmento “Weekend Update” do talk-show “Saturday Night Live” — não fugiu ao tema. “O que Hollywood precisa é de pessoas a desinibir-se no local de trabalho”, apontou corrosivamente Colin Jost, a propósito dos convidados poderem beber álcool na cerimónia dos Emmy. “É uma honra partilhar esta noite com tanta gente criativa e talentosa de Hollywood… que ainda não foi apanhada”, disse ainda Michael Che.

A política era outro dos temas que prometia marcar a cerimónia dos prémios Emmy. O nome de Donald Trump, contudo, não foi explicitamente proferido por nenhum dos principais intervenientes da gala. Os discursos mais explícitos sobre o assunto vieram dos criadores e equipa do programa de reality tv Rupoul’s Drag Race, que venceram um prémio Emmy e apelaram em palco ao amor próprio e ao respeito pela comunidade LGBT, e também de Rachel Brosnahan. A atriz premiada de “The Marvelous Mrs. Maisel” lembrou que a série fala sobre “uma mulher que está a encontrar uma voz e é isso que está a acontecer com o país neste momento”.

Uma das formas mais importantes de encontrarmos e usarmos as nossas vozes é votar”, apontou Rachel Brosnahan, acrescentando: “Votem, apareçam nas eleições e levem um amigo às urnas. Muito obrigada”.

O que não faltaram foi homenagens às figuras da sociedade norte-americana que morreram desde a cerimónia anterior dos prémios Emmy, não só da televisão. A cantora Aretha Franklin não foi esquecida, como também não o foram o político John McCain, o ator Burt Reynolds e o empresário e fundador da revista Playboy, Hugh Hefner, entre vários outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)