O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi filmado a jantar ao lado da sua mulher num dos restaurantes mais caros de Istambul, ao mesmo tempo que o seu país vive uma crise alimentar que levou a que cada adulto perdesse em média 11,7 quilos em 2017. Após várias críticas, o chefe de Estado da Venezuela esclareceu que foi ao restaurante por convite.

“Isto é só uma vez na vida!”, ouve-se Nicolás Maduro a dizer à mulher, Cilia Maduro, que, além de primeira-dama, é atualmente deputada na assembleia constituinte venezuelana e também já foi procuradora-geral da república. A frase do Presidente da Venezuela surge segundos antes de o chef do restaurante, o turco Nusret Gökçe, começar a cortar um lombo de carne numa pose algo teatral.

Num segundo vídeo, também é possível ver Nicolás Maduro de charuto na boca e com uma t-shirt com a imagem daquele chef, que se tornou numa celebridade devido ao gesto peculiar que usa para pôr sal na comida. O próprio Presidente da Venezuela, em brincadeira, imita esse mesmo gesto.

Segundo o La Patilla, jornal online venezuelano, os vídeos foram publicados primeiro no perfil de Nusret Gökçe, que pouco depois viria a retirá-los. No entanto, estes foram resgatados a tempo por vários utilizadores de diferentes redes sociais. Entre eles, conta-se Julio Borges, opositor a Nicolás Maduro exilado na Colômbia. “Enquanto os venezuelanos sofrem e morrem de fome, Nicolás Maduro e Cilia desfrutam de um dos restaurantes mais caros do mundo, tudo isto à custa do dinheiro roubado a povo venezuelano”, escreveu Julio Borges.

A passagem de Nicolás Maduro por Istambul deu-se depois de uma viagem à China, onde o Presidente da Venezuela se encontrou com o seu homólogo chinês, Xi Jinping. No regresso a Caracas, numa emissão televisiva onde anunciava os frutos dessa viagem, Nicolás Maduro acabou por justificar a sua passagem por aquele restaurante de luxo, dizendo que aceitou “um convite”.

“Fizemos uma paragem técnica em Istambul, depois de quase 12 horas de voo, e em Istambul aceitei um convite para visitar o centro histórico e almoçar com algumas autoridades da cidade”, disse Nicolás Maduro. “Estivemos juntos num restaurante famoso, Nusr-Et [Steakhouse]. Envio aqui um cumprimento a Nusret, que nos recebeu pessoalmente. Estivemos a falar e a divertir-nos com ele. É um homem muito simpático, muito alegre. Ama a Venezuela. Disse-mo várias vezes: ‘Amo a Venezuela, admiro a Venezuela’.”

A notícia da visita de Nicolás Maduro a Istambul surge numa altura em que a Venezuela atravessa uma grave crise que, além de financeira e económica, é também já alimentar. De acordo com um estudo Encuesta Nacional de Condiciones de Vida (ENCOVI), 89,4% dos lares não tinham dinheiro para comprar toda a comida necessária e cada venezuelano adulto perdeu em média 11,2 quilos em 2017. Na Venezuela, muitos chamam a este fenómeno a “dieta de Maduro”.

De acordo com o mesmo estudo, apenas 39,9% das famílias conseguiam comprar carnes vermelhas em 2017, ao passo que em 2014 essa percentagem ainda era de 74,8%. Os números são ainda mais drásticos no que toca às carnes brancas: em 2014 79,4% dos venezuelanos conseguiam comprá-las e em 2017 apenas 34,3% conseguiam fazê-lo.

Um caso recente, que chamou a atenção na Venezuela, foi o da unidade de nefrologia pediátrica do Hospital J. M. de los Ríos, em Caracas. De acordo com o jornal online Efecto Cocuyo, desde este sábado, 15 de setembro, que as crianças ali internadas comem apenas uma arepa (uma espécie de panqueca típica na Venezuela) ao pequeno-almoço e arroz branco ao almoço e ao jantar.