Hakan Samuelsson é o homem que, desde 2012, tem liderado a transformação da Volvo, conseguindo consolidar a presença do construtor sueco no segmento premium, o que se reflecte em anos consecutivos de recordes de vendas e de lucros. Mas também numa nova gama de modelos, baseados em novas plataformas, motorizações e tecnologias desenvolvidas in house. Por tudo isto a Volvo tratou de garantir que aos seis anos no cargo de CEO, Samuelsson vai somar mais quatro: o contrato foi renovado até 2022.

A indústria está a mudar, bem como as expectativas dos clientes. Nós precisamos e queremos corresponder a essas expectativas. Nos próximos anos, teremos de ser capazes de concretizar as nossas ambições. O nosso projecto de transformação não está concluído e há muito mais para vir na história da Volvo”, promete o presidente e CEO da Volvo Cars.

Electrificação, condução autónoma e o conceito de propriedade automóvel são os principais desafios que a Volvo elege para o futuro, assim pretendendo prosseguir e intensificar o seu plano de transformação, “com vista à globalização e diversificação da sua oferta de serviços de mobilidade”.

Samuelsson conduziu o fabricante de Gotemburgo a um dos melhores momentos da sua história – e a prova disso está nos múltiplos prémios atribuídos aos novos modelos e às novas tecnologias da marca -, mas recusa a ideia de o mérito ser exclusivamente seu. Quando recebeu da European Business Press o troféu de “European Manager of the Year”, mais um dos vários galardões com que foi agraciado este ano, o CEO frisou que a trajectória da Volvo não se faria sem uma grande equipa. “Estou evidentemente muito satisfeito com mais esta distinção, mas ela representa um motivo de orgulho para todos na Volvo – eu não faço tudo sozinho. É muito entusiasmante trabalhar na Volvo, dadas as oportunidades e os desafios que enfrentamos com a fantástica equipa que temos”, disse.