Rádio Observador

Prémios Emmy

Prémios Emmy. O histórico pedido de casamento que ninguém esperava

207

Depois de aceitar o seu prémio, o realizador Glenn Weiss decidiu surpreender o mundo inteiro — e a sua namorada, claro — com um inédito "queres casar comigo?"

AFP/Getty Images

Muitas vezes fica-se na dúvida sobre qual a melhor altura para pedir alguém em casamento. Num sítio privado? Durante uma viagem? No final de um jantar romântico? Vários destes cenários podem passar pela cabeça de qualquer um, porém o realizador Glenn Weiss escolheu a cerimónia dos Emmy para o fazer. Quando estavam sozinhos no palco, depois de ter ganho o prémio para melhor realização pelo seu trabalho na cerimónia dos Óscares em 2017.

Este momento histórico — nunca tinha havido nenhum pedido de casamento em direto numa cerimónia destas — começou a desenhar-se assim que Weiss iniciou o discurso, após ter recebido o prémio. “A minha mãe morreu há duas semanas e por causa disso estou de coração partido. Acho que nunca o conseguirei remendar, mas ela [a mãe] estará sempre comigo”, afirmou, emocionado. O realizador continuou a divagar, dizendo que a sua mãe sempre lhe dissera para “encontrar o nascer do sol” em tudo e essa afirmação levou-o a dizer que a sua namorada, Jan Svendsen, era o “nascer do sol” da sua vida. “A mãe tinha razão, nunca devo largar o meu nascer do sol. Sabes porque é que eu não gosto de te chamar de minha namorada? É porque quero chamar-te de minha mulher” — foi desta forma que a bomba foi largada e toda a plateia explodiu num misto de surpresa e emoção — Jan especialmente, como seria de esperar.

Ainda antes de Glenn proferir a derradeira pergunta, Svendsen já gritava que ‘sim’, ainda do seu lugar. Rapidamente, todos os que a rodeavam disseram para ela ir para o palco. E assim foi, direta para os braços do seu noivo enquanto o próprio brincava ao dizer “Mas eu ainda nem fiz a pergunta!”.

Quando os dois se juntaram, Weiss tira o anel do bolso dizendo que o mesmo tinha sido colocado pelo seu pai no dedo da mãe há 67 anos. Apesar do estado de euforia generalizado — Benedict Cumberbatch até foi apanhado pelas câmaras a chorar –, o realizador ainda brincou, dizendo aos irmãos que não tinha “surripiado” o anel e que o pai já sabia de tudo.  Ajoelhado, colocou a jóia no dedo da noiva e finalizou o processo: “Jan, quero pôr-te este anel que a minha mãe usou à frente de todas estas pessoas e à frente da minha mãe e dos teus pais, que nos estão a ver lá de cima. Queres casar comigo?”. Svendsen aceitou imediatamente.

Segundo relata a Variety, quando o casal chegou ao backstage explicou aos jornalistas que se tinham conhecido em 2001 e que trabalharam juntos durante 10 anos. Ambos têm filhas e ambos vivem de produzir e filmar cerimónias como os Óscares e os Tony Awards. Weiss explicou ainda que ninguém, sem ser o pai, sabia do seu plano.

“Não suspeitava de nada, não fazia mesmo ideia nenhuma!”, explicou a própria Jan. “Queria muito que ele dedicasse o prémio à mãe. Fez isso e muito mais”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)