Fernando Medina

Medina diz não estar disponível para deixar Miradouro de Santa Catarina como está

"Nós propusemos uma intervenção no miradouro porque é uma intervenção há muito reclamada pelos residentes e pelos moradores", afirmou Fernando Medina na Assembleia Municipal de Lisboa.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), disse esta terça-feira que a intervenção no Miradouro de Santa Catarina é “há muito reclamada pelos moradores” e, por isso, não está disponível para “deixar tudo como está”.

“Nós propusemos uma intervenção no miradouro porque é uma intervenção há muito reclamada pelos residentes e pelos moradores”, afirmou Fernando Medina na Assembleia Municipal de Lisboa. Respondendo aos deputados, o autarca falou em colocar “um horário a partir do qual essa zona esteja condicionada”, para que “os moradores possam usufruir da sua noite de descanso com todo o direito que têm”.

“Nós estamos disponíveis para todas as soluções, não estamos disponíveis para deixar tudo como está, nem para soluções em que não acreditemos que sejam eficazes para devolver o bem-estar e o direito à qualidade de vida a que aqueles moradores têm direito”, sublinhou.

O líder do executivo municipal aproveitou para assinalar que “os problemas associados à difícil convivência e à perda acentuada de qualidade de vida e do direito ao sossego no Miradouro de Santa Catarina não começaram hoje, nem ontem, nem anteontem”, e contam já, pelo menos, cinco anos.

“Quando assumi funções na Câmara Municipal de Lisboa, em 2013, já vão cinco anos, já este era um tema. Desde essa altura para cá foram tentadas várias soluções para atenuar o problema e temos de concluir hoje que essas soluções não resultaram”, considerou. Por isso, Fernando Medina considerou ser necessário “fazer diferente” e “fazer mais”, uma vez que “este conflito que se instalou naquele território aumentou ao longo dos últimos anos”.

“O que nós procuramos fazer é qualificar um espaço que está completamente desqualificado devido à intensidade do uso que tem”, acrescentou.

Esta terça-feira, os deputados municipais aprovaram (com os votos contra do PS num dos pontos) uma recomendação do PCP para que seja iniciado “um processo de auscultação pública que vise construir um projeto de requalificação que vá ao encontro da vontade dos cidadãos” e que o miradouro “continue acessível a todos os visitantes sem horário e sem vedação”.

Na semana passada, em reunião privada da Câmara de Lisboa, os vereadores já haviam aprovado duas moções, apresentadas por BE e PCP, que visavam que o miradouro, também conhecido como Adamastor, não seja delimitado por vedações, nem venha a ter um horário de acesso.

Na altura, fonte oficial da Câmara de Lisboa disse à agência Lusa que o município “vai obviamente respeitar as moções aprovadas”, e “vai promover e dinamizar a discussão e auscultação públicas abertas a todos os setores e a todos os aspetos relacionados com esta intervenção”.

Em julho, o vice-presidente da Câmara Municipal, Duarte Cordeiro (PS), anunciou o encerramento do Miradouro de Santa Catarina para obras de requalificação, apontando que o espaço ia permanecer encerrado durante o “resto do verão”.

Na reunião desta terça-feira, foi também aprovada por unanimidade outra recomendação do PCP para que não seja promovido “nenhum ato em relação ao licenciamento da construção” de um prédio no Miradouro de Nossa Senhora de Monte “até à conclusão do debate sobre a petição existente sobre a matéria”. Em causa está a eventual construção de um edifício de habitação na Calçada do Monte, que poderá pôr em causa a vista a partir daquele local, que se estende sobre grande parte da cidade até ao rio.

Sobre este caso, Fernando Medina assegurou que o município não irá aprovar “nada que colida com esse interesse superior da cidade”, e que irá “reavaliar o PIP [Pedido de Informação Prévia] que está aprovado”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)