Filipinas

Presidente das Filipinas diz que guerrilha comunista será derrotada em 2019

O Presidente das Filipinas garantiu que o Novo Exército do Povo será derrotado em 2019, tendo em conta a crescente rendição dos rebeldes comunistas e a suspensão das negociações de paz, em junho.

ROLEX DELA PENA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Presidente das Filipinas garantiu que o Novo Exército do Povo (NEP) será derrotado em 2019, tendo em conta a crescente rendição dos rebeldes comunistas e a suspensão das negociações de paz, em junho.

“Acho que estamos, finalmente, a vencer a guerra. Muitas frentes guerrilheiras caíram em Mindanao”, disse Rodrigo Duterte, num encontro na noite de terça-feira com as tropas em Isabela, uma das regiões do norte do país devastadas pelo tufão Mangkhut.

A região administrativa de Mindanao é cenário há várias décadas de conflitos entre o Governo e grupos terroristas locais, incluindo alguns com ligações ao EI, como o Maute ou o Abu Sayyaf.

De acordo com as previsões do Presidente, a atividade da guerrilha comunista, uma das mais antigas da Ásia, irá terminar no segundo trimestre próximo ano.

O evento contou com a presença de 85 ex-membros do NEP, que mostraram a Duterte várias armas de fogo entregues às Forças Armadas. No discurso, Duterte elogiou o trabalho da 5.ª Divisão de Infantaria do Exército, que opera no norte de Luzon, pelos “incansáveis esforços” na luta contra a “ameaça de grupos armados”.

“A presença dos rendidos do NEP é a prova das conquistas da 5.ª Divisão e da determinação coletiva em restaurar a paz na nossa terra. Graças a valentes esforços, quase uma centena de rebeldes optaram por regressar à conduta da lei”, sublinhou Duterte.

O Novo Exército do Povo é uma guerrilha ativa que está nas listas de grupos terroristas das Filipinas, dos Estados Unidos e da União Europeia.

Em fevereiro deste ano, Duterte ofereceu recompensas de quase 500 dólares a quem matar um rebelde comunista do NEP, de acordo com a transcrição oficial de um discurso pronunciado em Cebu, no centro do país.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)