Prisão

Treze reclusos de Monsanto mantêm-se em greve de fome

Os 13 reclusos da cadeia de Monsanto, que iniciaram segunda-feira greve de fome contra as condições prisionais, permanecem em protesto. O seu estado de saúde está devidamente controlado.

Manuel Moura/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os 13 reclusos da cadeia de Monsanto que iniciaram na segunda-feira uma greve de fome contra as condições prisionais, permaneciam em protesto, tendo os serviços prisionais informado que o seu estado de saúde está devidamente controlado.

“A Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) informa que os 13 reclusos se mantêm em greve de fome e que o seu estado de saúde se apresenta dentro de parâmetros normais. Mais se informa que os reclusos já foram individualmente ouvidos pelos técnicos de educação que os seguem, estando a situação a ser acompanhada e avaliada”, comunicou a DGRSP, em resposta à agência Lusa.

Na segunda-feira, a DGRSP confirmou à Lusa que 13 reclusos do Estabelecimento Prisional de Monsanto, em Lisboa, preencheram naquele dia o boletim de greve de fome, alegando “estar em protesto contra a má qualidade da alimentação e da assistência médica prestada sem que precisem os aspetos em que esta falta de qualidade se materializa”.

Na altura, a DGRSP acrescentou que os reclusos também reclamam contra o isolamento (demasiadas horas nas celas), mas explicou que este isolamento está “subjacente ao regime prisional próprio de um estabelecimento de segurança máxima”.

“Como decorre do legalmente previsto, estes reclusos, que iniciaram a greve de fome, estão a ter o acompanhamento clínico” previsto na lei, assegurou então a DGRSP.

Entretanto, fonte ligada aos reclusos em greve da fome indicou à Lusa que o protesto prende-se com várias questões: “Há quatro meses, que os reclusos estão sem actividades, a alimentação continua a ser um problema, os serviços clínicos são praticamente inexistentes e após a alteração dos turnos, tudo tem sofrido alterações prejudiciais para os reclusos”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Impostos

Sejamos todos Robin dos Bosques

Rodrigo Saraiva

O protesto é uma arma da democracia, mas deve estar ligado directamente ao voto e não à violência. Sejamos todos Robin dos Bosques contra o saque fiscal. Há uma diferença entre o imposto e o esbulho. 

Governo

Sentido e tradição /premium

Paulo Tunhas

À pala das “cativações” de Centeno, greves e demissões sucedem-se quase diariamente. Em poucos dias, a nova ministra da Saúde já anda a fazer as mesmas tristes figuras a que nos habituámos no anterior

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)