Filipinas

Tufão Mangkhut deixa pelo menos 81 mortos e 70 desaparecidos nas Filipinas

O número de afetados nas Filipinas já ultrapassa um milhão, Entre as 150 mil pessoas que tiveram de ser retiradas, 60 mil ainda se encontram em centros de abrigo.

FRANCIS R. MALASIG/EPA

As autoridades filipinas elevaram esta quarta-feira para 81 o número de mortos e para 70 os desaparecidos na sequência do tufão Mangkhut no norte do país, onde as equipas continuam as operações de resgate.

De acordo com as últimas informações da Polícia Nacional, o maior tufão da temporada deixou também 71 feridos na sua passagem pelo norte da ilha de Luzon, no extremo norte do país.

O número de afetados nas Filipinas já ultrapassa um milhão, de acordo com as últimas informações do Centro Nacional de Redução de Desastres. Entre as 150 mil pessoas que tiveram de ser retiradas, 60 mil ainda se encontram em centros de abrigo.

As autoridades estimam que a maioria terá que permanecer pelo menos mais três semanas nestes abrigos, onde as condições de higiene, saneamento e água potável são cada vez mais precárias, segundo a Cruz Vermelha. “Nesta primeira intervenção, a nossa prioridade é garantir água e saneamento à população afetada, e depois logo nos concentraremos na segurança económica das famílias”, disse à agência Efe o chefe da delegação da Cruz Vermelha nas Filipinas, Luis Carrasco.

Depois da devastadora passagem pelas Filipinas, o tufão seguiu para a China, afetando sobretudo a província de Guangdong, no sul, onde pelo menos quatro pessoas morreram e 2,5 milhões tiveram de ser realojadas, de acordo com a comunicação social estatal.

A região administrativa de Macau também foi afetada pelo tufão, com registo de 40 feridos, segundo o último balanço oficial. No domingo, o sinal 10 de tempestade tropical, o máximo de uma escala com 1, 3, 8 e 9, esteve em vigor durante nove horas naquele território, o mais longo período registado desde 1968.

As chuvas torrenciais e ventos ciclónicos provocados pela tempestade tropical causaram também cortes na eletricidade e nas comunicações em vários dos locais afetados. Segundo o Instituto para os Assuntos Cívicos de Macau, a suspensão de energia elétrica determinou o encerramento do local de encontro para evacuação de emergência no Mercado da Praia do Manduco, não existindo residentes dentro das instalações, ressalvou aquela entidade.

A suspensão do abastecimento de energia elétrica em algumas zonas está a afetar 20 mil clientes em zonas que incluem a Praia do Manduco, a Rua do Almirante Sérgio, a Avenida Almeida Ribeiro, a Rua Ribeira do Patane, o Porto Interior e a Doca do Lam Mau. “impacto grave” do tufão já levou o chefe do Governo de Macau a emitir um despacho no qual se determina o encerramento de todos os serviços públicos na segunda-feira, com exceção daqueles integrados na estrutura da Proteção Civil e de representação exterior. Todas as instituições de ensino superior em Macau também suspenderam a sua atividade no domingo.

Perto de seis mil pessoas foram retiradas das suas casas, no seguimento do plano de evacuação das zonas baixas da cidade, efetuado a partir das 21h de sábado. De acordo com as últimas informações do Instituto de Ação Social (IAS), 777 pessoas recorreram até às 8h30 (1h30 em Lisboa) aos 16 centros de abrigo com espaço para mais de 24 mil pessoas.

Tufão provoca perturbações nos voos na China, Macau e Hong Kong

Perto de 900 voos foram adiados ou cancelados em Hong Kong devido ao tufão severo Mangkhut, que se aproxima da costa oeste de Guangdong com ventos até 173 quilómetros por hora, noticiou um jornal local. De acordo com o South China Morning Post, pelo menos 543 voos programados para este domingo foram cancelados, afetando cerca de 96.000 passageiros. No total, as autoridades do aeroporto internacional de Hong Kong dão conta de 889 voos adiados ou cancelados devido à proximidade deste tufão, considerado o maior do ano, indicou o mesmo jornal.

No território vizinho, Macau, placa de estacionamento do Aeroporto Internacional de Macau começou a ficar submersa devido às condições climáticas e todos os voos previstos para este domingo foram cancelados.

Nas províncias chinesas de Guangdong e Hainan, centenas de voos foram cancelados e todos os serviços ferroviários de alta velocidade e alguns normais também foram interrompidos no domingo, informou a China Railway Guangzhou Group Co.. Na província de Fujian, dezenas de milhares de barcos de pesca regressaram ao porto e as obras de construção pararam. A cidade de Shenzhen também cancelou todos os voos entre domingo e segunda-feira de manhã. A Hainan Airlines cancelou 234 voos nas cidades de Haikou, Sanya, Guangzhou, Shenzhen e Zhuhai, programados para este fim de semana.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)