Bolsa

Wall Street fecha em alta com otimismo dos investidores sobre guerra comercial

Bolsa nova-iorquina fechou em alta, com os investidores a verem alguns sinais de otimismo quanto aos desenvolvimentos na guerra alfandegária entre Washington e Pequim.

JEFF ZELEVANSKY/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A bolsa nova-iorquina fechou esta terça-feira em alta, com os investidores a verem alguns sinais de otimismo nos novos ataques alfandegários entre Washington e Pequim. Os resultados definitivos da sessão indicam que o Dow Jones Industrial Average valorizou 0,71%, para os 26.246,96 pontos.

O tecnológico Nasdaq ganhou 0,76%, para as 7.956,11 unidades, e o alargado S&P500 avançou 0,54%, para as 2.904,31. Com algumas horas de intervalo, os EUA impuseram uma taxa de 10% sobre 200 mil milhões de dólares de importações provenientes da China, com esta a retaliar impondo direitos alfandegários sobre importações norte-americanas, no montante de 60 mil milhões de dólares.

A sanção aplicada pelos EUA surpreendeu positivamente os investidores, porque “estes esperavam sanções mais duras”, observou Adam Sarhan, da 50 Park Investments. Inicialmente, o governo norte-americano tinha mencionado uma taxa de 25%.

“É sinal de que Trump tem consciência da pressão que pesa sobre ele. Quanto mais aumentar as taxas alfandegárias antes das compras de Natal, mais arrisca tornar-se impopular”, sublinhou Karl Haeling, da LBBW. O efeito da guerra comercial entre EUA e China foi, entretanto, relativizado por alguns analistas. “O custo destas medidas protecionistas não está concentrado entre estes países”, realçou o banco Barclays, em nota analítica distribuída terça-feira.

“Enquanto estes dois países vão sem dúvida trocar menos produtos, vão ter de comerciar mais com outros e, também, desenvolver o seu mercado interno”, detalha a nota. O banco, que antecipou a aplicação pelos EUA de tarifas de 20% sobre as importações oriundas da China, estimou que o custo do protecionismo na riqueza dos EUA vai ser “relativamente modesto”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)