Moçambique

Governo moçambicano espera apoio da UE no desarmamento da Renamo

O Governo moçambicano espera receber o apoio da União Europeia e de outros parceiros internacionais no processo de desarmamento e reintegração social do braço armado da Renamo.

FREDERIK VON ERICHSEN/EPA

Maputo, 20 set (Lusa) – O Governo moçambicano afirmou hoje que o país espera receber o apoio da União Europeia (UE) e de outros parceiros internacionais no processo de desarmamento e reintegração social do braço armado da Renamo, principal partido da oposição.

O ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, José Pacheco, assegurou o interesse da UE no processo de paz moçambicano, em declarações aos jornalistas, após o novo representante daquela organização comunitária em Maputo, António Sanchez-Benedito Gaspar, ter apresentado cartas credenciais ao chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi.

“Uma operação de pacificação do país tem implicações, sobretudo de âmbito financeiro, mas também na componente técnica, que podem merecer a ajuda dos nossos parceiros”, destacou o chefe da diplomacia moçambicana.

José Pacheco assinalou que parte da ajuda financeira que tem sido canalizada pela UE a Moçambique inclui a componente da pacificação do país. O Governo de Moçambique e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) constituíram grupos de trabalho para a operacionalização do programa de desarmamento, desmobilização e reintegração social dos guerrilheiros da Renamo, no âmbito dos entendimentos para a instauração de uma paz definitiva no país.

As negociações de paz entre as duas partes permitiram uma revisão pontual da Constituição da República para o aprofundamento da descentralização, em maio passado. Além do representante da UE, apresentaram cartas credenciais embaixadores de seis países, com os quais Moçambique mantém relações de cooperação em vários domínios.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)