Venezuela

Governo venezuelano acusa Estados Unidos de financiar atentado contra Nicolás Maduro

A Venezuela condenou o relatório divulgado pelos Estados Unidos da América sobre terrorismo, acusando os norte-americanos de terem "planeado e financiado" o atentado falhado contra Nicolás Maduro.

PRENSA MIRAFLORES HANDOUT/EPA

A Venezuela condenou esta quinta-feira o relatório divulgado pelos Estados Unidos da América sobre terrorismo, acusando os norte-americanos de terem “planeado e financiado” o atentado falhado de 4 de agosto contra o Presidente, Nicolás Maduro.

O Governo da República Bolivariana da Venezuela condena as ofensivas referências sobre a Venezuela, contidas no Relatório sobre Terrorismo do ano de 2017, emitidas pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos de América”, refere um comunicado divulgado em Caracas.

Nesta quinta-feira, o Departamento de Estado norte-americano divulgou o documento “Relatórios de países sobre o terrorismo em 2017” no qual acusa a Venezuela de servir de albergue para grupo armados colombianos.

A fronteira porosa entre a Venezuela e a Colômbia tem feito que esse território seja usado pelo Exército de Libertação Nacional e grupos armados ilegais, para entrar e sair do seu território”, explica.

Em resposta ao relatório, Caracas diz não reconhecer “a prática unilateral e arbitrária que simula avaliar e classificar os outros países, especialmente quando o avaliador é, nada mais e nada menos, que o principal protagonista do terrorismo de Estado no mundo”. Segundo a Venezuela, os EUA “fabricam guerras fratricidas injustificáveis, mantêm centros ilegais de detenção e de tortura, e um financiamento aberto a grupos terroristas para defender os seus interesses económicos e geopolíticos, sem nunca olhar para a dor, morte e destruição que provocam estas ações”.

Recentemente, o próprio Presidente, Nicolás Maduro, e as mais altas autoridades do Estado venezuelano foram alvo de um atentado terrorista, planeado e financiado precisamente nos Estados Unidos, que, felizmente, não cumpriu com os perversos objetivos”, afirma o comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores da Venezuela.

Por outro lado, Caracas sublinha que ameaçar “com o uso da força militar contra Venezuela ou contra qualquer outro país, assim como a imposição de medidas coercivas unilaterais e os bloqueios económicos ilegais, constituem modalidades inegáveis para causar terror e gerar sofrimento em sociedades pacíficas”.

A Venezuela continuará a lutar incansavelmente contra o terrorismo internacional através da cooperação com países civilizados que procuram manter a paz e a segurança mundial. Hoje, com mais firmeza e convicção, a Venezuela ratifica que continuará a combater este flagelo até a sua total erradicação”, conclui.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)