Egito

Tribunal do Egito ordena libertação dos filhos do ex-presidente Hosni Mubarak

Um tribunal do Egito ordenou a libertação dos dois filhos do antigo Presidente Hosni Mubarak, que estão a ser julgados por "manipulação do mercado bolsista".

JAMAL TARAQAI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um tribunal do Egito ordenou esta quinta-feira a libertação dos dois filhos do antigo presidente Hosni Mubarak, que estão a ser julgados por “manipulação do mercado bolsista”.

Segundo a agência noticiosa Associated Press, na semana passada, um tribunal ordenou a detenção de Alaa e Gamal Mubarak, antes de adiar as audiências até 20 de outubro.

A decisão de os libertar ocorreu poucas horas depois de um tribunal de recurso aceitar uma moção movida pelos seus advogados de defesa para retirar o juiz que ordenou a sua detenção, em 15 de setembro de 2018. Os advogados argumentaram que a decisão “era irracional”, dado que os acusados participavam regularmente nas audiências.

Os irmãos Mubarak, juntamente com o seu pai, foram detidos dois meses depois de uma revolta popular que forçou o antigo presidente Hosni Mubarak, a renunciar, após 29 anos no poder. Hosni, Alaa e Gamal Mubarak foram posteriormente condenados a três anos cada por desviar fundos destinados à manutenção dos palácios presidenciais. Os dois filhos foram libertados, em 2015, pelo seu tempo de serviço, enquanto Hosni Mubarak foi libertado no ano passado.

A 15 de setembro, os dois filhos do ex-presidente egípcio Hosni Mubarak foram detidos por suspeita de “manipulação do mercado bolsista”. Gamal e Alaa Moubarak e outras três pessoas são acusadas de concertar a aquisição da maioria das ações de vários bancos através de empresas-fachada, sem o declarar na bolsa, como a lei obriga.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)