Vinicultura

Vinho do Dão cresce no mercado externo apesar da quebra de 2017

O diretor executivo da Comissão Vitivinícola Regional do Dão revelou que a exportação do vinho do Dão "está consolidada e que os números são de crescimento", apesar da quebra de 2017.

NUNO ANDRE FERREIRA/LUSA

O diretor executivo da Comissão Vitivinícola Regional do Dão (CVRDão) revelou que a exportação do vinho do Dão “está consolidada e que os números são de crescimento”, apesar da quebra de 2017, por causa de Angola e do Reino Unido.

“A exportação está consolidada e os números são de crescimento e irão manter-se, mas nós tivemos dois mercados que nos afetaram a nós, região do Dão, e penso que também a Portugal, no contexto do vinho: Angola e o Reino Unido”, anunciou Pedro Mendonça.

Em Angola, explicou o diretor, “pelas razões conhecidas, pela instabilidade política que o país atravessou até um determinado momento e onde decresceram significativamente as vendas” não por falta de interesse, mas de disponibilidade de dinheiro.

“Em conversa com alguns produtores, o que estava a acontecer é que havia o desejo de comprar e o desejo de pagar, mas havia dificuldades nos pagamentos, não porque o importador não quisesse pagar, mas porque havia dificuldades práticas, objetivas, de colocar o dinheiro fora de Angola. Era impossível por razões do Estado angolano, e isso refletiu-se”, esclareceu.

No Reino Unido, a causa principal terá estado ligada à gestão de ‘stocks’, considerou Pedro Mendonça, que entendeu que “há um determinado movimento de compra que pode implicar um ‘stock’, ou seja, não é para um consumo imediato, há um esforço de compra por parte do importador, pelas mais diversas razões, e que se refletiu nestes números”.

“É evidente que quando se olha para uma quebra temos de olhar sempre com preocupação, mas acho que neste caso ela deve-se a dois momentos que serão provavelmente ultrapassados e que poderemos compensar com outros mercados”, projetou Pedro Mendonça, que avançou que está a ser finalizado um estudo que será colocado em prática no início de 2019.

O diretor executivo da CVRDão explicou à agência Lusa que “é um plano estratégico a 10 anos, tendo em conta os mercados internacionais, para identificar os pontos fortes e fracos, as oportunidades e a forma mais eficiente de como alocar o dinheiro que a CVRDão tem disponível para a promoção dos vinhos” do Dão.

“Já temos, basicamente, formatados em quais os países em que vamos focar o nosso investimento, ou seja, a nossa prioridade em termos de investimento, e não antecipo porque ainda tem de ir a conselho geral, e posteriormente, será implementado, com toda a certeza, em 2019, com uma janela temporal de 10 anos”, precisou Pedro Mendonça.

Os dados foram apresentados numa conferência, “O vinho, o Dão e a Beira”, a decorrer na manhã de hoje e que marcou o início da Festa das Vindimas em Viseu, que decorre até domingo, com várias atividades ligadas ao vinho e com a novidade, este ano, de um festival que permitirá 45 experiências gastronómicas com a presença de 10 ‘chefs’, cinco locais e outros tantos de renome nacional.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Páscoa

O testamento de Jesus Cristo /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Deixo à Igreja o meu coração (...) que é fonte inesgotável de perdão e graça para quantos, absolvidos dos seus pecados pelo sacramento da penitência, me recebem no santíssimo sacramento da Eucaristia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)