Praia

Autoridade Marítima alerta para cuidados a ter em praias não vigiadas

Devido à previsão de calor para o próximo fim de semana, a Autoridade Marítima prevê que aumente a afluência às praias em todo o país e alertou para a população sobre os cuidados a ter.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Autoridade Marítima Nacional (AMN) alertou esta sexta-feira para os cuidados que os banhistas devem ter em praias não vigiadas e anunciou um reforço do patrulhamento no próximo fim de semana, devido à previsão de altas temperaturas.

“A maioria das praias não estão vigiadas por nadadores-salvadores”, referiu à Lusa o porta-voz da AMN, Fernando Pereira da Fonseca. Segundo o representante, apenas continuam a ter vigilância algumas praias de Sintra e Cascais, no distrito de Lisboa; da Costa de Caparica, em Almada, distrito de Setúbal; e na costa sul, dado o fim da época balnear na maior parte dos concelhos.

Devido à previsão de calor para o próximo fim de semana, a Autoridade Marítima prevê que aumente a afluência às praias em todo o país e realizou uma conferência de imprensa no Instituto de Socorros a Náufragos, no concelho de Oeiras, para alertar para a população sobre os cuidados a ter. “Nós temos uma situação diferente este fim de semana, que é o facto de a previsão da temperatura do ar ser elevada. Estamos a falar de temperaturas em todo o país que vão rondar os 30 graus e temos também a aproximação do fim do verão, o que leva a AMN a crer que existe a possibilidade de as pessoas irem desfrutar da praia”, explicou.

Tendo em conta estas condições, a AMN recomenda que, se possível, as pessoas optem “por praias ainda com vigilância permanente”. Caso contrário, os banhistas devem “redobrar a atenção”, já que não existem meios de salvamento e a resposta a um possível acidente “é mais lenta”.

“Recomendamos que as pessoas avaliem bem as condições do estado do mar, nomeadamente a rebentação, se a maré está a encher ou vazar, as correntes que se façam sentir e, eventualmente, agueiros que consigam identificar, e se o verificarem devem evitar entrar. Em caso de dúvida das suas capacidades ou do estado do mar, não devem entrar na água”, frisou.

O porta-voz da Autoridade Marítima lembrou que é preciso um cuidado especial com as crianças, que “devem estar particularmente sob vigilância de um adulto e ainda mais se estiverem junto da linha de água”.

Além disso, referiu, não se deve entrar na água por três horas após as refeições e deve-se evitar o período de forte exposição solar entre as 12:00 e as 16:00, não entrando abruptamente na água.

“Atenção que a água também pode estar a arrefecer e se o corpo estiver muito quente e entrar na água de forma abrupta poderão sofrer algum choque térmico”, sublinhou. Ainda assim, segundo Fernando Pereira da Fonseca, a Autoridade Marítima, com o apoio da Marinha Portuguesa, vai reforçar a vigilância nas praias durante o fim de semana.

“Todos os meios que estão nas capitanias e nas estações salva-vidas vão estar no mar, a navegar próximo das praias, numa presença mais ativa para, caso haja algum acidente, a resposta ser mais rápida”, avançou.

A Polícia Marítima vai também efetuar uma ação de sensibilização nas praias “para lembrar as pessoas para os vários riscos que correm e, sobretudo, em praias não vigiadas”. “Tudo isto não tem sucesso se as pessoas não assumirem os comportamentos de segurança, é uma forma de garantirmos que não existem acidentes graves”, apontou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)