Se é uma das muitas pessoas que gosta de água com gás, e a bebe a qualquer momento, quase de certeza que já se interrogou sobre a origem desta água e como é que o gás natural se forma. Verdade? Foi isso mesmo que nos levou até Vila-Flor, em Trás-os-Montes, onde não só descobrimos a origem da água Frize, como ainda acompanhámos todo o percurso que esta água faz desde que é captada até ser engarrafada. É que, por incrível que pareça, apesar de a marca ter já 24 anos, nunca antes revelou esta informação, tornando-a no “segredo mais bem guardado da natureza”.

Do interior da terra

O que diferencia a água Frize de outras que encontramos no mercado é o elevado teor de gás carbónico natural, assim como a sua considerável mineralização – a maior de todas as águas gasocarbónicas portuguesas. Mas como é que, entre as montanhas do nordeste português, surge uma nascente de água mineral com gás?

Água com séculos de história

Mostrar Esconder

A primeira referência à nascente da água Frize data de 1725, ano em que o médico de D. João V, Francisco da Fonseca Henriques, publica o “Aquilégio Medicinal”, onde alude à nascente existente em Sampaio e à sua água com gás e forte mineralização. O “Aquilégio Medicinal” foi o primeiro tratado de hidrologia médica em Portugal, consistindo numa relação de todas as fontes, nascentes e rios de Portugal, cujas águas apresentavam propriedades medicinais ou outras.

Segundo os especialistas da marca, tudo acontece porque a natureza assim o determina. Ou seja, porque a água das chuvas se infiltrou há centenas de anos no setor norte da chamada falha de Vilariça. Esta é uma falha regional com vários quilómetros de extensão, que vai desde Espanha até à zona da serra da Estrela, atingindo uma grande profundidade nalgumas zonas.

Depois de se infiltrar na falha e aí instalar-se a grande profundidade, a água vai depois avançando para sul. Quando chega à zona do Vale de Vilariça, a água Frize ascende naturalmente e é captada perto da povoação de Vila Flor.

O que dá personalidade a Frize

É na longa permanência em profundidade que reside a chave da composição mineral da água Frize. E é esse facto que permite também que a água se misture com o gás carbónico natural existente nas profundezas da terra, ascendendo depois ao longo da falha.

A elevada mineralização da água Frize resulta ainda, segundo os especialistas da marca, “do longo trajeto que a água percorreu, o que permitiu uma particular interação água-rocha a grande profundidade, restrita apenas às águas minerais de excelência – razão pela qual a sua composição é muito estável ao longo dos anos”.

Outro aspeto que contribui para as características únicas de Frize é a temperatura a que esta terá sido submetida. A partir da análise de geotermómetros, os técnicos acreditam que a água mineral terá atingido temperaturas em profundidade na ordem dos 191°C, o que justifica as relações e concentrações de alguns dos elementos presentes na água. São, pois, estas as particularidades que garantem a pureza da água Frize e a sua perfeita captação, sem qualquer perda das características que a diferenciam de outras águas.

Sem artificialismos

A água Frize é captada perto de Vila Flor, sendo bombeada e transportada através de tubagens até à oficina de engarrafamento, situada apenas a algumas centenas de metros.

A identidade da água Frize

Mostrar Esconder

– A água Frize é classificada como gasocarbónica natural, tendo em conta o elevado teor de gás carbónico natural que apresenta incorporado, cerca de 2,8 g/L.

– Apresenta também uma mineralização total de 3,26 g/L de sais minerais dissolvidos.

– Em termos composicionais, a água Frize classifica-se como bicarbonatada sódica, devido ao predomínio dos iões bicarbonato (2180 mg/L) e sódio (683 mg/L). O cloreto (130 mg/L), o cálcio (118 mg/L), o potássio (58 mg/L), e o magnésio (33 mg/L), são outros dos iões predominantes.

No caso da produção de Frize com sabores (recorde-se que a marca foi a primeira em Portugal a revolucionar o mercado ao lançar Frize Limão, em 2002), são aqui adicionados à água os compostos – todos naturais – previstos na formulação de cada sabor. Além de Frize Limão, atualmente são comercializados os sabores Frize Groselha e Frize Lima, Pepino e Gengibre. Todos os ingredientes utilizados são de origem natural.

Após o enchimento das garrafas, segue-se a capsulagem, a rotulagem e o embalamento, tudo realizado de forma automatizada. Segundo os técnicos, “todo o processo de engarrafamento é monitorizado, desde os materiais de embalagem e matérias-primas até ao produto final. As produções só são libertadas para o mercado após obterem a aprovação do laboratório de controlo de qualidade”. É que embora Frize seja assumidamente uma marca descontraída e com um estilo muito leve e divertido – todas as campanhas publicitárias são exemplo disso e a última não é exceção -, isso não significa que o rigor e o empenho na manutenção de elevados padrões de qualidade sejam menores. Até porque só assim é possível fazer jus ao “segredo mais bem guardado da natureza”.