Os sul-coreanos da Kia estão a apostar nos veículos eléctricos, mas a um ritmo mais contido do que a maioria dos fabricantes europeus e americanos. Isto está patente no volume de produção, que é exclusivo das instalações na Coreia e limitado a menos de 2.000 unidades por mês, tanto para a Hyundai (com o Kona Electric, ou Kauai para Portugal) como para a Kia e o seu Niro EV. O que é pena, pois ambos os construtores, integrados no mesmo grupo industrial, têm uma proposta muito interessante, no que respeita à relação entre o preço, autonomia e capacidade de bateria.

Na Europa, o Niro EV já tem homologação em WLTP, que aponta para 484 km com a bateria maior, aquela que tem uma capacidade de 64 kWh e que vai ser a única a comercializar em Portugal. Isto significa que, no nosso país, não vai ser oferecida a versão mais acessível, com 39,2 kWh e uma autonomia de 300 km.

E a opção compreende-se, pois à falta de uma quantidade razoável de veículos para comercializar (convenhamos que 2.000 carros por mês, para o mundo inteiro, é muito pouco), a opção óbvia aponta para o reforço de equipamento e maximização de margens.

De salientar que o Niro EV (4,38 m de comprimento) é um veículo mais do segmento do Nissan Leaf (e do futuro VW I.D. Neo) do que o Renault Zoe ou do Hyundai Kauai Electric, o que lhe permite praticar um preço ligeiramente mais elevado do que estes modelos do segmento B. Com 484 km entre recargas de bateria, o Niro EV alinha pelos melhores no que respeita à autonomia, sendo que o preço previsto para o nosso país deverá rondar os 50.000€. Um valor superior ao praticado pelo Kauai com o mesmo motor e bateria, mas num veículo maior e mais habitável.

O Kia Niro EV tem ao deu dispor um motor com 204 cv, com um binário de 395 Nm, o que lhe permite chegar aos 100 km/h em apenas 7,8 segundos. Além de um habitáculo mais generoso, típico do segmento C, o Niro EV oferece ainda 451 litros de bagageira e consegue recarregar até uma potência de 100 kW, o que deixa antever a possibilidade de ir de 0 a 80% de bateria em apenas 54 minutos.