Táxis

Taxistas mantêm protesto e querem intervenção de António Costa

Os taxistas em protesto pelo quarto dia consecutivo vão manter a paralisação depois de uma reunião com o chefe da Casa Civil do Presidente da República e pedem rápida intervenção do primeiro-ministro.

Os taxistas estão em manifestação desde quarta-feira

Manuel Fernando Araújo/LUSA

Os taxistas reunidos em protesto pelo quarto dia consecutivo vão manter a paralisação — depois de uma reunião este sábado com o chefe da Casa Civil do Presidente da República — e querem a rápida intervenção do primeiro-ministro.

Depois de ter sido recebida em Belém, a delegação de representantes dos taxistas, encabeçada pelos presidentes da ANTRAL e da Federação Nacional do Táxi, Florêncio de Almeida e Carlos Ramos, respetivamente, entregou uma carta no gabinete do primeiro-ministro no Terreiro do Paço, em Lisboa, a pedir uma intervenção com urgência para resolver as suas reivindicações.

Os líderes das associações comunicaram depois aos seus associados concentrados nos Restauradores, em Lisboa, o resultado do encontro com o chefe da Casa Civil do Presidente da República e a continuação do protesto “até que haja uma solução”.

À agência Lusa, Carlos Ramos explicou que é necessária uma intervenção urgente do primeiro-ministro, António Costa, e afirmou não quererem a participação nem do ministro nem do secretário de Estado do Ambiente, porque estes dois governantes “são o problema e não a solução”.

As associações de taxistas que este sábado foram recebidas no Palácio de Belém não fizeram declarações no final, remetendo-as para um momento posterior, o que aconteceu depois na Praça dos Restauradores.

A reunião com o chefe da Casa Civil do Presidente da República durou cerca de 50 minutos e no final os taxistas, que chegaram a Belém em táxis escoltados pela polícia, disseram aos jornalistas que qualquer declaração só após comunicarem aos restantes taxistas o resultado do encontro.

Os taxistas estão em protesto desde quarta-feira, com concentrações em Lisboa, Porto e Faro, contra a entrada em vigor, a um de novembro, da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte em veículos descaracterizados que operam em Portugal que nesta momento são a Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

“Táxis uber alles“

Tiago Silvério Marques

Porque é que existe esta migração para serviços como a Uber? Na minha modesta opinião de cliente a grande diferença está na relação de confiança recíproca, que mitiga as surpresas.

Governo

Sentido e tradição /premium

Paulo Tunhas

À pala das “cativações” de Centeno, greves e demissões sucedem-se quase diariamente. Em poucos dias, a nova ministra da Saúde já anda a fazer as mesmas tristes figuras a que nos habituámos no anterior

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)