Foi descoberta uma nova carta enviada pelo astrónomo Galileu Galilei à Igreja Católica para tentar escapar à Inquisição, revelou a Nature. Nessa carta, o cientista defensor da Teoria Heliocêntrica — que dizia que era o Sol, e não a Terra, que estava no centro do universo — editou o que escreveu num documento mais antigo para parecer menos crítico da Igreja. E substituiu palavras como “falso” para expressões como “parece diferente da realidade”.

A relação entre o cientista italiano e a Igreja Católica começou a deteriorar-se quando Galileu Galilei desenvolveu o heliocentrismo. Segundo ele, o geocentrismo, a teoria defendida pela Igreja em que a Terra estava no centro do universo e todos os corpos celestes giravam em torno dela, estava errado: a teoria proposta por Nicolau Copérnico de que o Sol estava no centro do universo é que estava correta. Isso incomodou a Igreja, que defendia o geocentrismo porque colocava a Terra, e por consequência o Homem, no centro da criação de Deus.

Ora, numa carta enviada ao amigo matemático Benedetto Castelli, Galileu Galilei escreveu que as referências na Bíblia aos eventos astronómicos não deviam ser lidas literalmente, porque o mais provável é que os copistas tenham simplificado a escrita para que ela pudesse ser compreendida pelos mais leigos. Quando a Igreja teve acesso a essa carta, pelas mãos do frade dominicano Niccolò Lorini, ameaçou Galileu Galilei com a Inquisição — um sistema de justiça dentro da Igreja que eliminava aqueles que defendiam ideias contrárias à dela.

Foi então que, numa tentativa de acalmar os ânimos da Igreja, Galileu Galilei tentou resolver o problema. Escreveu uma nova versão da carta enviada ao amigo, entregou-a ao padre Piero Dini e disse que aquela sim era a versão original do documento — e que a outra tinha sido modificada por alguém que lhe queria mal. Nessa nova carta, o italiano riscou a palavra “falso” para escrever “parece diferente da realidade” por cima. E numa referência aos “dogmas básicos” das Escrituras, substituiu a palavra “ocultação” por “um véu mais fraco”.

De nada lhe valeu o esforço. Em 1616, Galileu Galilei foi mesmo investigado pela Inquisição, que o obrigou a negar a Teoria Heliocêntrica. Ele desmentiu a teoria, mas em 1632 escreveu outra obra — “Diálogo sobre os Dois Principais Sistemas do Mundo” — onde comparou o modelo proposto por Copérnico com os argumentos com que a Igreja defendia o geocentrismo. Isso levou a Inquisição a declarar “uma forte suspeita de heresia”, da qual Galileu se defendeu dizendo que essa comparação era apenas “um exercício intelectual”. De modo a escapar à morte, o cientista italiano viveu o resto da vida em prisão domiciliária.