Rádio Observador

Aquecimento Global

As temperaturas médias estão a subir nas cidades europeias

Kiruna, na Suécia, é a cidade que mais aumentou a temperatura média em relação ao século passado. Portugal está no fundo da lista, com cinco cidades entre as que registaram menor aumento.

Getty Images

As temperaturas médias registadas nas cidades da Europa estão a aumentar. Os países nórdicos são os mais afetados, enquanto as cidades portuguesas figuram no fundo da tabela. A conclusão é de um estudo do Centro Europeu de Previsão do Tempo a Médio Prazo (ECMWF) que analisou as temperaturas médias diárias registadas em 588 cidades desde 1900, dados que foram recolhidos pela European Data Journalism Network (EDJnet).

A cidade que mais aqueceu em comparação ao século passado foi Kiruna, na Suécia, que registou uma aumento da temperatura média de 3,35 graus Celsius. A Suécia é o país mais afetado, com cinco das suas cidades entre as dez onde a temperatura média mais subiu — além de Kiruna, figuram Östersund (+2,72 graus), Sundsvall (+2,69), Skellefteå (+2,53) e å (+2,48).

A Finlândia surge em segundo entre os mais afetados com quatro cidades no topo do ranking — Lappeerante (+2,95), Kouvola (+2,93), Joensuu (+2,77) e Vaasa (+2,48). A lista fica completa com Fredrikstad, na Noruega, onde a temperatura média aumentou respetivamente 2,97 graus Celsius.

No extremo oposto do ranking surge Portugal, com cinco das 12 cidades analisadas entre as com menor aumento. Irlanda (com Limerick, Galway e Waterford), Reino Unido (Derry City & Strabane) e o norte de Espanha (Vigo) completam a lista.

Em Portugal, a maior subida ocorreu em Évora (+0,77), Lisboa (+0,72) e Coimbra (+0,69). Foram também analisadas Beja (+0,62), Vila Nova de Gaia (+0,59), Funchal (+0,42), Faro (+0,40), Aveiro (+0,26) e Sintra (+0,25). Os menores aumentos aconteceram em Matosinhos (+0,23), Setúbal (+0,15) e Ponta Delgada (+0,05).

O estudo do ECMWF permitiu ainda apurar que o número de dias quentes por ano aumentou. Na maioria das cidades analisadas (540), o aumento foi, em média, de três dias. A tendência inversa foi registada em apenas 18 locais, entre os quais Évora e Beja que perderam dois dias quentes.

Pelo contrário, o número de dias frios por ano diminuiu. A média passou de 33 para 25 dias por ano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

O Triunfo dos Porcos

João Pires da Cruz
673

A ciência não é uma questão de opinião. Não é uma democracia onde se valoriza a liberdade de expressão. Vive de alguma diversidade, mas só na posse de todos os dados, no conhecimento do que está certo

Aquecimento Global

O nosso país a afundar /premium

Alberto Gonçalves
1.342

Grosso modo, é Portugal, que se afunda a uma velocidade com que Tuvalu e a Terra e a Time não sonham. E o melhor é que não precisamos de aquecimento global. O descaramento local é suficiente. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)