Moda

Michael Kors compra Versace. O negócio ronda 2 mil milhões de euros

179

A confirmação chegou esta terça-feira. O grupo norte-americano comprou a casa de moda italiana por cerca de 1.700 milhões de euros. Donatella Versace continua a ser a diretora criativa.

Donatella Versace ocupa a direção criativa da marca desde 1997. Agora, a família vendeu a casa fundada por Gianni Versace, mas Donatella continuará à frente das coleções

AFP/Getty Images

Depois dos rumores, a confirmação chegou esta terça-feira. A Michael Kors Holdings, empresa detentora da marca Michael Kors, comprou a marca de luxo italiana Versace por 2,12 biliões de dólares, cerca de 1.800 milhões de euros. O valor pelo qual o grupo norte-americano avaliou a Versace corresponde 2,5 vezes a atual faturação da marca, sediada em Milão, e a 22 vezes o seu EBITDA (receitas antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Numa apresentação feita aos investidores, a Michael Kors Holdings, que muda de nome para Capri Holdings, afirmou querer aumentar a presença global da marca, passando das 200 lojas atuais para 300, desenvolver o comércio online e expandir as linhas de acessórios e calçado, segmentos que representam atualmente 30% do volume de negócio da marca e que o grupo quer que cresçam para 60%. Após o investimento feito, o grupo norte-americano prevê começar a obter lucro dentro de dois anos.

Na nova organização, os cargos mantêm-se. John D. Idol continua como presidente e diretor executivo da Capri Holdings e como chefe executivo da marca Michael Kors. Na Versace, este mesmo cargo continua a ser ocupado por Jonathan Akeroyd, bem como o de diretora criativa por Donatella Versace.

Donatella Versace assumiu o controlo da marca após o assassinato do irmão Gianni Versace, em 1997. Desde então que ocupa o cargo de diretora criativa da marca, enquanto Santo Versace, o irmão mais velho ocupa o lugar de presidente. A família detinha, até aqui, 80% da empresa (estando a parcela maioritária, 50%, nas mãos de Allegra, filha de Donatella, com 32 anos). Os restantes 20% pertenciam à Blackstone Group LP. Segundo noticiou a Bloomberg, na passada segunda-feira, a transação envolve a compra de 100% da empresa.

Segundo o jornal italiano Corriere della Sera noticiava na última segunda-feira, a possibilidade de venda da Versace terá estado dividida entre dois compradores, sendo que o segundo seria a Tiffany & Co.

Para a Michael Kors, o negócio fará parte de uma estratégia de expansão do grupo, que quer posicionar-se como um grande império da moda de luxo, à semelhança dos gigantes europeus LVMH e Kering SA. No ano passado, comprou a marca britânica Jimmy Choo, especializada na produção de calçado. A transação terá custado cerca de mil milhões de euros.

Os primeiros meses do ano não foram especialmente brilhantes para a Michael Kors. Uma alegada quebra nas vendas alarmou os investidores e afetou o desempenho da empresa na bolsa de Nova Iorque.

Notícia atualizada na terça-feira, dia 25 de setembro, às 13h10, com a confirmação da compra da Versace por parte da Michael Kors.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)