Moda

Michael Kors compra Versace. O negócio ronda 2 mil milhões de euros

179

A confirmação chegou esta terça-feira. O grupo norte-americano comprou a casa de moda italiana por cerca de 1.700 milhões de euros. Donatella Versace continua a ser a diretora criativa.

Donatella Versace ocupa a direção criativa da marca desde 1997. Agora, a família vendeu a casa fundada por Gianni Versace, mas Donatella continuará à frente das coleções

AFP/Getty Images

Depois dos rumores, a confirmação chegou esta terça-feira. A Michael Kors Holdings, empresa detentora da marca Michael Kors, comprou a marca de luxo italiana Versace por 2,12 biliões de dólares, cerca de 1.800 milhões de euros. O valor pelo qual o grupo norte-americano avaliou a Versace corresponde 2,5 vezes a atual faturação da marca, sediada em Milão, e a 22 vezes o seu EBITDA (receitas antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Numa apresentação feita aos investidores, a Michael Kors Holdings, que muda de nome para Capri Holdings, afirmou querer aumentar a presença global da marca, passando das 200 lojas atuais para 300, desenvolver o comércio online e expandir as linhas de acessórios e calçado, segmentos que representam atualmente 30% do volume de negócio da marca e que o grupo quer que cresçam para 60%. Após o investimento feito, o grupo norte-americano prevê começar a obter lucro dentro de dois anos.

Na nova organização, os cargos mantêm-se. John D. Idol continua como presidente e diretor executivo da Capri Holdings e como chefe executivo da marca Michael Kors. Na Versace, este mesmo cargo continua a ser ocupado por Jonathan Akeroyd, bem como o de diretora criativa por Donatella Versace.

Donatella Versace assumiu o controlo da marca após o assassinato do irmão Gianni Versace, em 1997. Desde então que ocupa o cargo de diretora criativa da marca, enquanto Santo Versace, o irmão mais velho ocupa o lugar de presidente. A família detinha, até aqui, 80% da empresa (estando a parcela maioritária, 50%, nas mãos de Allegra, filha de Donatella, com 32 anos). Os restantes 20% pertenciam à Blackstone Group LP. Segundo noticiou a Bloomberg, na passada segunda-feira, a transação envolve a compra de 100% da empresa.

Segundo o jornal italiano Corriere della Sera noticiava na última segunda-feira, a possibilidade de venda da Versace terá estado dividida entre dois compradores, sendo que o segundo seria a Tiffany & Co.

Para a Michael Kors, o negócio fará parte de uma estratégia de expansão do grupo, que quer posicionar-se como um grande império da moda de luxo, à semelhança dos gigantes europeus LVMH e Kering SA. No ano passado, comprou a marca britânica Jimmy Choo, especializada na produção de calçado. A transação terá custado cerca de mil milhões de euros.

Os primeiros meses do ano não foram especialmente brilhantes para a Michael Kors. Uma alegada quebra nas vendas alarmou os investidores e afetou o desempenho da empresa na bolsa de Nova Iorque.

Notícia atualizada na terça-feira, dia 25 de setembro, às 13h10, com a confirmação da compra da Versace por parte da Michael Kors.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)