Matemática

O matemático que diz ter deslindado um problema com 160 anos

É um dos matemáticos mais importantes da atualidade e diz ter resposta para um problema que lhe pode valer um milhão de dólares. Mas nenhum outro cientistas concorda com ele.

PHOTO PABLO COSTA/ICM 2018.

O matemático britânico Michael Atiyah disse esta segunda-feira que tinha encontrado evidências de que a hipótese de Riemann — um dos mais importantes problemas da Matemática — afinal já tinha sido deslindada. No discurso feito no Fórum Laureado de Heidelberg, Michael Atiyah disse ter encontrado “uma simples prova” disso ao estudar John von Neumann e Friedrich Hirzebruch, dois matemáticos do século XX: ao combinar os avanços desses dois cientistas, e assumindo que a hipótese de Riemann não pode ser verdadeira, Michael Atiyah diz ter chegado a uma “contradição lógica” que afinal prova esse problema.

A hipótese de Riemann foi publicada pela primeira vez em 1859 pelo matemático Bernhard Riemann e tem a ver com a distribuição de números primos, que são todos aqueles que só podem ser divididos por eles próprios ou por 1. Há 160 anos que a teoria de Bernhard Riemann continua a assombrar os matemáticos porque ninguém consegue provar que está correta, embora também ninguém consiga dizer que está errada. Se a hipótese de Riemann realmente se confirmar, então os cientistas conseguiriam localizar todos os números primos entre os números naturais — 1, 2, 3 e por aí adiante.

No discurso que fez no Fórum, Michael Atiyah sublinhou que “parece milagroso” mas “todo o trabalho foi feito há 70 anos”, como se ele só tivesse juntado um e um. A lógica de Michael Atiyah não convence completamente os outros matemáticos: à New Scientist, Nicholas Jackson, matemático da Universidade de Warwick, disse que “a hipótese de Riemann é um problema notoriamente difícil”, tanto que “muitos outros matemáticos de alto nível quase conseguiram, mas só quase, provar isso ao longo dos anos, apenas para uma falha subtil na prova tornar tudo aparente”.

O matemático britânico respondeu aos críticos no Fórum: “Resolva a hipótese de Riemann e tornar-se-á famoso. Se já for famoso, então tornar-se-á infame. Ninguém acredita em qualquer prova da hipótese de Riemann porque é ela tão difícil. Ninguém a provou, então porque é que alguém deveria prová-la agora? A menos, claro, que se tenha uma ideia totalmente nova”. E acrescentou: “Esta ideia caiu-me ao colo e eu tive de lhe pegar. As pessoas dizem que os matemáticos fazem o melhor que sabem até aos 40 anos. Eu quero mostrar que estão errados, que posso fazer algo quando tenho 90 anos”.

Se estiver correto, Michael Atiyah pode ganhar um milhão de dólares do Clay Mathematics Institute, um instituto de divulgação de conhecimento científico que oferece esse valor a quem resolver um de seis problemas matemáticos listados por ele. O prémio pode juntar-se a dois prémios equivalentes a um Nobel da Matemática (medalha Fields e Prémio Abel) e ao título de presidente do London Mathematical Society, da Real Sociedade de Londres para o Melhoramento do Conhecimento Natural e da Sociedade Real de Edimburgo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
caderno de apontamentos

Uma aula fora da sala /premium

Maria João Passos
903

O “fracasso” na Matemática não depende exclusivamente das características da disciplina. É urgente renovar profundamente a escola, para que esta se torne um espaço motivante e agradável de trabalho.

Educação

O objeto da Física é o universo

Filipe Moura
133

Toda a argumentação que o autor apresenta em relação à Matemática pode ser desenvolvida em relação à Física, que historicamente é a única ciência natural que contribuiu para o progresso da Matemática.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Astrofísica

Buracos negros e a ciência de dados

Manuel Loureiro
111

Os métodos e os algoritmos da ciência de dados aplicados neste empreendimento fantástico são os mesmos que usamos quando pretendemos segmentar mercados, prever saldos bancários ou planear a produção.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)