O partido trabalhista aprovou durante a conferência nacional que decorreu esta terça-feira uma moção que apoia um segundo referendo sobre o Brexit como alternativa a um acordo insatisfatório para a saída do Reino Unido da União Europeia. Segundo o The Guardian, os militantes votaram “esmagadoramente” a favor da moção, havendo apenas “uma mão cheia de pessoas que votaram contra”.

Se a primeira-ministra não regressar com um acordo que vai ao encontro dos nossos interesses, e isso parece cada vez mais provável, vamos votar contra o acordo dela”, disse Keir Starmer, porta-voz do partido para os assuntos Brexit, num discurso fortemente aplaudido pelos militantes. “Um Brexit vago ou cego é um salto para lado nenhum, e nós não vamos fazer parte disso”, acrescentou. “Ninguém está a excluir a opção de permanecer”, concluiu.

Apesar de assumirem que preferiam que esta incerteza fosse resolvida com eleições, os trabalhistas admitem que “se isso não for possível, temos de ter outras opções… isso tem de incluir uma campanha para o voto publico”.

A votação é um marco decisivo para o partido da oposição, que tem enfrentado tanta divisão interna relativamente ao tema como o partido conservador de May. O próprio líder do partido, Jeremy Corbyn, há muito que se assume como eurocéptico. No entanto, com a maioria dos militantes a apoiar a permanência na UE, a direção do partido teve de evoluir na posição que defende.