Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As criações excêntricas do compositor britânico-iraniano sediado em Londres que dá pelo nome de Ash Koosha são já muito comuns. Sendo um entusiasta da tecnologia, criou projetos que envolviam o uso de realidade virtual para transmitir concertos interpretados por si, e tentou recriar a sua própria experiência de sinestesia.

Conhecido por introduzir elementos futuristas nas suas criações, Koosha embarcou numa nova aventura com inteligência artificial (IA), elevando a fasquia no que diz respeito à composição musical uma vez que o seu último álbum foi totalmente composto contando com a colaboração de um software de IA criado por si, que se chama Yona.

Para Koosha, a presença de Yona no seu quarto álbum, que estreou na passada sexta-feira chamado”Return 0″, serve como um “auxiliar humano”, disse ao jornal Futurism. O artista explicou, ainda, que “a Yona agrega um conjunto de softwares que geram frases, melodias e canta-as através de um processo complexo de text-to-speech“.

Embora estas não sejam as primeiras experiências artísticas feitas através de IA, (composição de poemas, pintura e escrita de guiões), esta tecnologia pode revelar-se muito útil quando usada como um auxílio à criatividade e ser uma abertura para futuras criações de outros artistas.

Pode ouvir o vídeo oficial de “Return 0” na ligação abaixo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR