Se alguém tivesse tirado uma grande rolha ao planeta, este podia ser o aspeto de ir tudo pelo cano abaixo. Pelo menos foi essa a sensação que teve o astronauta alemão, Alexander Gerst, ao ver o tufão Trami — na altura de categoria 5 — a partir da Estação Espacial Internacional.

O tufão atingiu a categoria 5 na noite de 24 de setembro, com ventos de 260 quilómetros por hora e rajadas a chegar aos 315 quilómetros por hora. Estava previsto que atingisse Taiwan antes de chegar ao Japão, mas a categoria baixou para 4 e agora é cada vez menos provável que Taiwan seja afetado. Já o Japão, mesmo que a intensidade do tufão diminua, é certo que terá de enfrentar chuvas intensas, mesmo nas regiões mais a norte.

Mesmo tendo perdido a categoria de super tufão, como foi fotografado pelo astronauta, o tufão continua “monstruoso”, como o classificou o site Severe Weather Europe. Está previsto que no sábado de manhã chegue ao sul do Japão.

Trami chega pouco mais de uma semana depois de um outro super tufão que atingiu a Ásia — o Mangkhut —, que matou mais de 100 pessoas na passagem pelas Filipinas, Macau e China.

Mais de uma centena de pessoas morreram nas Filipinas e na China por causa do tufão Mangkhut

E se pudéssemos evitar um tufão?

Os Estados Unidos são alvo anual de furacões, o que faz com que as pessoas façam, com frequência, propostas sobre como destruir a tempestade, conta Chris Landsea, do Centro Nacional de Furacões norte-americano, na página do instituto de meteorologia (National Oceanic and Atmospheric Administration).

Há quem proponha mesmo usar bombas atómicas. “Escusado será dizer que não é uma boa ideia”, diz o meteorologista. Mas detalha: a humanidade em conjunto usava em 1990 20% da energia libertada por um furacão completamente desenvolvido, o que torna impossível encontrar energia suficiente para o travar.

Se ainda não ficou impressionado, fique a saber que o calor libertado por um furacão completamente desenvolvido é o equivalente a uma bomba atómica de 10 toneladas a explodir a cada 20 minutos.

Ok. E que tal destruir as tempestades tropicais antes de originarem um furacão? O primeiro problema é que das 80 perturbações que se formam anualmente, em média, no oceano Atlântico, apenas 5% chega a furacão. Depois, mesmo que a tempestade tropical só liberte 10% da energia de um furacão, é ainda assim muita energia, tanta que para todas as tempestades anuais, teríamos de ter quebras de energia mundiais várias vezes por ano.