Salários

António Costa admite “aumento salarial efetivo” na Função Pública

104

O primeiro-ministro admitiu esta sexta-feira um "aumento salarial efetivo" na Função Pública e previu um "bom orçamento" para 2019, no final de um encontro com o presidente do Parlamento Europeu.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, admitiu esta sexta-feira um “aumento salarial efetivo” na Função Pública e previu um “bom orçamento” para 2019, no final de um encontro com o presidente do Parlamento Europeu (PE), Antonio Tajani.

Estamos a trabalhar, no quadro das negociações, para ver se há margem para podermos ir um pouco mais além e, para além do descongelamento das carreiras, poder haver, pela primeira vez em muitos anos, algum aumento salarial efetivo e não só reposições ou descongelamentos”, assinalou António Costa no decurso de uma conferência de imprensa conjunta com o responsável europeu, que esta sexta-feira concluiu uma visita oficial de dois dias a Lisboa.

O primeiro ministro destacou o “círculo virtuoso” da política económica e social do executivo “que tem de se manter”, e recordou um dos pilares decisivos desta nova abordagem: relançar a economia melhorando o rendimento das famílias.

“Desse círculo [virtuoso que temos de manter] fazem também parte os funcionários públicos. É por isso que começámos por repor os vencimentos que tinham sido cortados, por isso este ano demos um novo passo com o descongelamento das carreiras. Se nenhuma nova medida for tomada, o aumento da despesa na Função Pública no próximo ano será de 2,9%”.

António Costa recordou que as negociações ainda estão em curso, referiu a necessidade de conjugação das medidas do lado da receita com as medidas do lado da despesa: “Para casarmos o conjunto destas medidas num bom mix de medidas” na perspetiva de um “bom orçamento” para 2019.

“Mas vamos ter de esperar até 15 de outubro para ter uma visão final da proposta do orçamento, que terá sempre de qualquer forma as marcas identitárias do que tem sido os orçamentos desta maioria: reposição de rendimentos, reposição de condições para investimento, e contas certas para cumprirmos as nossas metas de redução do défice que são essenciais para podermos continuar a reduzir a nossa dívida, que ainda é muito elevada”.

O primeiro-ministro destacou ainda os benefícios “da estratégica económica” adotada pelo seu governo, apontando casos como o do reforço da confiança que incentivou o investimento, de empregos “com 321 mil postos de trabalho criados nos últimos três anos e uma queda da taxa de desemprego que estava em 12,7 para 6,7”, após a prioridade de política económica ter consistido na criação de postos de trabalho.

A reposição de rendimentos, diminuição da carga fiscal, o cumprimento das regras de consolidação orçamento, um processo também assegurado “por via do emprego”, foram outros atributos da ação do Governo destacados pelo primeiro-ministro, e que permitiu a “saída do procedimento de défice excessivo”, a revisão do ‘rating’ a nível internacional ou o país estar a “pagar menos 1.400 milhões de euros pelo serviço da dívida” face a anteriores compromissos.

“É o que nos permite fazer o reforço em educação, saúde, investimento em infraestruturas, uma forma de demonstrarmos que com regras comuns é possível seguir políticas diversas consoante a vontade do eleitorado”, argumentou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)