Gisele Bündchen é hoje uma das supermodelos mais conhecidas e um dos rostos mais marcantes do mundo da moda. No seu currículo, estão mais de duas décadas de carreira, com milhares de campanhas e desfiles. Mas, por detrás dos holofotes, nem sempre tudo foi um mar de rosas e é numa entrevista sobre o lançamento da sua biografia — “Lessons: My path to a meaningful life” (em português “Lições: o meu caminho para uma vida com sentido”) — que o conta.

A modelo brasileira confessa que passou por momentos difíceis como ataques de pânico e até pensamentos suicidas. “As coisas podem parecer perfeitas no exterior, mas não têm ideia do que se está a passar na realidade”, começa por dizer Bündchen, numa entrevista à revista People. A modelo confessou que sentiu que este era o momento para partilhar algumas das dificuldades que enfrentou. “E isso fez-me perceber que não mudaria nenhuma das experiências que vivi”, referiu.

A carreira de Bündchen começou aos 14 anos, quando foi descoberta num centro comercial. “Diziam-me que o meu nariz era demasiado grande e os meus olhos demasiado pequenos e que jamais estaria na capa de uma revista”, recorda a modelo, que em 1997 deu um passo internacional ao desfilar para o estilista Alexander McQueen. Três anos depois, conseguiu um contrato de 25 milhões de euros com a Victoria’s Secret e iniciou um relacionamento com o ator Leonardo DiCaprio.

Foi por essa altura, conta, que começaram os ataques de pânico e o medo a tudo o que fossem locais fechados. E foi aí que pensou em desistir. “Pensava que se saltasse da varanda seria o final de tudo e não teria que me preocupar mais com os meus sentimentos”.

Estava no topo, tinha uma boa relação com a minha família e sempre fui uma pessoa positiva. Não conseguia entender porque me sentia assim. Não tinha forças. O meu mundo tornava-se cada vez mais pequeno e não conseguia respirar”, recorda Gisele Bündchen.

Depois de ter ido a um especialista, a modelo decidiu mudar radicalmente o seu estilo de vida, sem recorrer a medicação. “Fumava cigarros, bebia uma garrafa de vinho e três cafés todos os dias. Num só dia, deixei tudo“, explicou à revista, acrescentando a importância que o yoga e a meditação tiveram na sua recuperação.

“Quando me tornei mãe, perdi-me por uns momentos”

Em 2009, Bündchen foi mãe pela primeira vez, como sempre foi o seu desejo, revela. No entanto, a modelo confessa que a experiência inicial foi “um choque” e nada como estava à espera. “Quando me tornei mãe, perdi-me por uns momentos. Era como se parte de mim tivesse morrido”, disse Bündchen, agora com Benjamin, de oito anos, e Vivian, com cinco. E justifica a frase logo de seguida: “Sempre fui uma pessoa muito independente. Era tudo sobre mim. Mas agora tenho este pequeno ser humano e subitamente não podia fazer outras coisas. Isso foi muito difícil para mim”.

Havia momentos em que sentia “culpa” por não estar com os filhos, e mesmo quando os levava para o trabalho, o sentimento permanecia: “Sentia-me culpada também. Era do género ‘aqui estamos num avião e o bebé está a chorar'”, desabafou a modelo, atualmente com 38 anos e casada com o jogador de futebol americano, Tom Brady.