Rádio Observador

Café

Exportações e consumo interno de café crescem em Portugal em 2018

As exportações portuguesas de café aumentaram 2,82% em quantidade até julho, em termos homólogos, e deverão encerrar o ano em alta, assim como o mercado interno.

CLEMENS BILAN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

As exportações portuguesas de café aumentaram 2,82% em quantidade até julho, em termos homólogos, e deverão encerrar o ano em alta, assim como o mercado interno, segundo dados avançados este domingo pela Associação Industrial e Comercial do Café (AICC).

Em declarações à agência Lusa no âmbito da comemoração do Dia Internacional do Café, na próxima segunda-feira, a secretária-geral da Associação Industrial e Comercial do Café (AICC) adiantou terem sido exportados por Portugal perto de oito mil toneladas (7.971.871 quilos) de café nos primeiros sete meses deste ano, contra os 7.753.051 quilos do período homólogo de 2017.

Segundo Cláudia Pimentel, “as exportações têm apresentado uma evolução bastante positiva desde 2006, tanto em quantidade como em valor, tendo baixado ligeiramente em 2017” (-2,68% em valor e -5,50% em toneladas) devido a uma associação de fatores, desde as greves portuárias, “que atrasam envios”, ao crescimento do mercado interno, que esgota a capacidade de exportação dos produtores mais pequenos.

No ano passado, as exportações portuguesas de café ultrapassaram ligeiramente os 77 milhões de euros, face aos 79,2 milhões de euros de 2016, tendo o mercado interno ascendido a 511 milhões de euros, contra praticamente 484 milhões de euros em 2016.

“Em termos reais penso que as exportações vão continuar a crescer, assim como o mercado interno, que ainda está a crescer mais”, afirmou.

Espanha, Grécia e França destacam-se como os três principais destinos das exportações portuguesas de café: Espanha surge destacada, com vendas de 26,2 milhões de euros, enquanto a Grécia e a França apresentam valores muito semelhantes, em torno dos 5,4 milhões de euros (valores totais acumulados considerando as exportações de café verde, produtos já transformados através da torrefação e outros subprodutos de café).

De acordo com a secretária-geral da AICC, Angola chegou a ser o quarto destino das exportações portuguesas de café, “mas agora está muito mais abaixo”, em parte porque, na sequência da crise do petróleo, aquele país africano tem tentado reabilitar a produção interna (nos anos 60 chegou a ser o segundo produtor mundial de café), o que lhe tem permitido reduzir as importações.

Segundo Cláudia Pimentel, o crescimento do mercado internacional de café tem estado a ser dinamizado, nomeadamente, pelos mercados asiáticos, “que estão a crescer muito”, assim como por alterações nos hábitos mundiais de consumo de café.

“Se há cinco anos se bebia mais café de filtro, hoje em dia o café expresso está a subir no mercado mundial e como Portugal exporta mais café para expresso, é natural que haja mais exportações”, explicou.

Sustentando que o café “é um setor em crescimento, mas também em mudança”, a responsável atribuiu em parte esta situação ao ‘boom’ do turismo, que tem levado o mercado a “alargar a sua oferta” e a “diversificar as bebidas de café”: “Já não temos só a tradicional bica, mas temos também produtos à base de café que os consumidores começam a apreciar mais, desde o ‘capuccino’ (que há dez anos praticamente ninguém bebia em Portugal), ao ‘flat white’ (uma espécie ‘capuccino’ com menos espuma) e ao café frio”, explica.

De um consumo ‘per capita’ anual de café de 4,73 quilos em 2012, Portugal passou em 2017 para 5,5 quilos ‘per capita’, prevendo a associação “que este número continue a aumentar nos próximos anos”, beneficiando também do impulso dado pelos turistas, cujo consumo é contabilizado como interno.

Estes números colocam Portugal “no fim da tabela dos 20 países maiores consumidores de café” no mundo, um ‘ranking’ que é liderado pelos países nórdicos, devido à sua “diferente forma de consumo”.

“O consumo de café nos países nórdicos é feito por café de filtro, em que uma dose leva cerca de 27 gramas, quanto uma dose de expresso leva sete gramas”, explicou Cláudia Pimentel, apontando a Finlândia como o principal país consumidor de café (com 12 quilos ‘per capita’/ano), seguida da Noruega (9,9 quilos), da Islândia (9 quilos) e da Dinamarca (8,7 quilos).

No que se refere às importações portuguesas de café, aumentaram 4,72% em quantidade, para 37 mil toneladas, nos primeiros sete meses de 2018 face ao período homólogo, mantendo-se “há já muitos anos” o Vietname (sobretudo café da espécie ‘robusta’), o Brasil (café ‘robusta’ e ‘arábica’) e o Uganda como os principais fornecedores de Portugal.

Quanto à evolução mundial dos preços do café verde (matéria-prima), Cláudia Pimentel recorda que, “como produto agrícola que é, está muito dependente das colheitas anuais” — sendo que “a colheita de 2017 foi boa, mas 2018 vai ser provavelmente mais complicada” –, mas adverte que o aumento da procura global tem vindo a pressionar em alta os preços.

Ainda assim, diz, “os custos da matéria-prima têm sido absorvidos pelos torrefatores”, como prova o facto de “há vários anos o preço de um café rondar os 60 a 70 cêntimos” em Portugal.

Para assinalar o Dia Internacional do Café, a AICC anuncia na segunda-feira a realização, em março, do 1.º “Lisbon Coffee Fest”, um festival “dedicado inteiramente ao café que vai promover diversas experiências aos profissionais da área e aos consumidores”.

“A realização deste festival vem no seguimento da ligação que o nosso país tem à história do café e da enorme paixão do povo português por café”, sustenta a associação, adiantando que na segunda-feira será ainda lançado o livro “Portuguese Coffee — A Blend of Stories”, no qual está registada “a importância de Portugal no mundo do café e alguns mitos e factos do café na saúde”, entre outros temas.

“Este não é só mais um livro sobre café, é o livro que fala do café português e que tem como ambição mostrar a sua identidade e colocá-lo no ‘patamar de alta qualidade que é seu por direito’, dando-lhe o protagonismo que merece. Simultaneamente pretende dar ferramentas ao consumidor que lhe permitam conhecer melhor o seu café, de modo a possa seja mais exigente com o seu expresso e a forma como este lhe é servido, bem como proporcionar-lhe novos momentos e experiências com o café”, afirma a AICC.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)