A situação não é nova mas, verdade seja dita, não se percebe bem se este caso foi apenas um atentado contra a propriedade alheia ou se mais um exercício promocional, apesar de não ser evidente a finalidade.

O vídeo começa com um Rolls Phantom estacionado em frente a uma das lojas da Louis Vuitton, quando se aproxima pelo passeio um ciclista aos comandos de uma BTT. Acto contínuo, o ciclista salta com a bicicleta para cima do capot do motor do Phantom e, depois de mais um saltinho em cima da dispendiosa peça, do não menos dispendioso veículo, regressa ao asfalto e afasta-se rapidamente. Deixando ao dono o Rolls o custo, necessariamente elevado, da reparação.

Não é ainda do conhecimento geral se este comportamento do ciclista é um atentado ao veículo alheio, ou se é mais uma habilidade publicitária, como já aconteceu no passado, quando um skater partiu o pára-brisas de um McLaren 12C e depois, aparentemente, fugiu. Ou se, pelo contrário, é apenas mais um louco com pouco respeito pelos outros, como foi o caso do homem, de mochila às costas, que resolveu espezinhar um Lamborghini.

Independentemente do que as autoridades venham a apurar, tanto mais que o rosto do ciclista é bem visível na foto, é no mínimo estranha a presença do “operador de câmara” que segura o telemóvel, bem como o enquadramento por que optou, como se adivinhasse o que iria acontecer.