Rádio Observador

APAV

APAV ajudou mais de 5600 idosos vítimas de crime nos últimos quatro anos

Mais de 5600 pessoas idosas foram vítimas de crime e de violência nos últimos quatro anos, segundo a APAV, sobretudo mulheres agredidas pelos filhos, que viveram nesta situação entre dois a seis anos.

ROBERT GHEMENT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de 5.600 pessoas idosas foram vítimas de crime e de violência nos últimos quatro anos, segundo a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, sobretudo mulheres agredidas pelos filhos, que viveram nesta situação entre dois a seis anos.

Dados da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), quando se assinala o Dia Internacional da Pessoa Idosa, revelam que entre 2013 e 2017, a associação ajudou 5.683 pessoas idosas, em que a maioria (4.556) foi vítima de crimes e de violência.

No total dos 10.740 crimes associados a estas 5.683 pessoas, 8.561 foram relativos a violência doméstica, seguido de crimes contra pessoas (1.595), crimes contra o património (515), crimes contra a vida em sociedade e o Estado (40), outras formas de violência (26) e crimes rodoviários (3).

No total das 4.556 pessoas idosas vítimas de crime e de violência, 3.619 eram mulheres e 937 eram homens, em 37,4% dos casos eram pai/mãe do agressor, e em 27,6% cônjuge. Cerca de 28% tinha entre 65 e 69 anos, em 42% dos casos eram casadas e pertenciam a um tipo de família nuclear com filhos (30,5%).

Estas pessoas sofreram de vitimação continuada (79%) e em 12% dos casos viveram nesta situação entre dois a seis anos, com as agressões a ocorrerem sobretudo (53,3%) na residência comum e em 28,8% na residência da vítima. Nestes quatro anos, a APAV contabilizou mais agressores do que vítimas, com os primeiros a chegarem aos 4.771, na maior parte dos casos (3.259), do sexo masculino e com idades compreendidas entre os 65 e os 74 anos.

Outro dos problemas ligado aos mais velhos é a solidão, havendo, em Portugal, mais de 400 mil pessoas que vivem sozinhas, o que acarreta mais riscos no que diz respeito à sua saúde física e psicológica.

Numa carta enviada ao Governo, a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) alerta para o terço da população portuguesa que será idosa em 2050 e para o quase um milhão que terá mais de 80 anos, apontando que as doenças mais comuns associadas à solidão são a hipertensão arterial, as infeções repetidas, a ansiedade, a depressão e as demências.

Nessa mesma carta, a OPP mostra-se disponível para colaborar com o Governo no sentido de combater “este difícil desafio demográfico”, defendendo que a “promoção de processos de envelhecimento ativo e saudável traduzir-se-á em mais saúde e menos doença no futuro”.

“Nesse sentido, urge promover e dar oportunidade a que as pessoas tenham mais conhecimento e literacia em saúde. Urge promover e dar oportunidade a que as pessoas construam hábitos de vida mais saudáveis”, defende a OPP.

“Urge promover e dar oportunidade a que as pessoas desenvolvam competências pessoais e sociais que melhor as preparem para as crises que enfrentarão no seu processo de envelhecimento e lhes permitam mais realização pessoal, mais bem-estar e mais qualidade de vida”, acrescenta. Na carta enviada ao Governo, a OPP defende ainda a necessidade de promover uma agenda para a prevenção e desenvolvimento das pessoas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)