Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Durante mais de quatro anos, ninguém soube do paradeiro de Layla Leisha, uma menina que desapareceu em Queensland, na Austrália, quando tinha sete anos, em 2014. Este domingo, a Polícia Federal australiana anunciou que encontrou e recuperou a criança, numa localização não revelada.

A menina, agora com 11 anos, tinha desaparecido quando estava com o seu pai, Shahrainier Eric Shem Leisha, numa das visitas de fim de semana a que tinha direito. Numa decisão considerada rara, o Tribunal de Família emitiu uma ordem e decidiu revelar detalhes sobre a criança, pedindo toda a ajuda da população.

O local onde a criança foi encontrada não foi revelado, mas as primeiras investigações sobre o seu desaparecimento terão sido centradas em Lismore, em New South Wales, onde a criança tem família.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Polícia Federal australiana gostaria de agradecer ao público e aos media o seu interesse e apoio contínuo no problema”, disse a fonte policial em comunicado.

Há agora a preocupação sobre o desenvolvimento da criança. Segundo Col Chapman, um especialista que trabalhou em alguns dos casos mais mediáticos de sequestro, há grandes preocupações relativamente à sua segurança e, acima de estudo, ao seu bem-estar. “Ela não vai à escola e mal consegue ler ou escrever”, disse o especialista — que aceitou trabalhar de graça para encontrar Layla — ao The Morning Bulletin.