Matemática

Os sete problemas de matemática que valem um milhão de dólares

273

O Instituto Clay de Matemáticas vai atribuir um prémio de um milhão de dólares a quem resolva, pelo menos, um problema matemático. Até agora, só uma pessoa ganhou o prémio, mas recusou o dinheiro.

Os chamados “sete problemas do milénio” traduzem-se num conjunto de desafios matemáticos cuja resolução corresponde a um prémio de um milhão de dólares. Ainda que se fale todos os dias do quão importante é salvar o planeta Terra e preservar as energias renováveis, estes sete problemas nada têm que ver com o meio-ambiente ou a sustentabilidade. São eles:

  • A existência de Yang-Mills e o intervalo de massa
  • A hipótese de Riemann
  • O problema “P versus NP
  • A equação de Navier-Stokes
  • A conjetura de Hodge
  • A conjetura de Poincaré
  • A conjetura de Birch e Swinnerton-Dyer

O Instituto Clay de Matemáticas, com sede em Cambridge, apresentou, em 2000, sete desafios, selecionados por um comité de matemáticos, e os respetivos prémios milionários que serão atribuídos ao matemático que encontre a sua resolução.

Até agora, apenas um dos problemas foi solucionado, embora haja já outro matemático a afirmar ter resolvido o segundo dos sete dilemas. Michael Atiyah, de 89 anos, diz ter encontrado a fórmula que prevê o seguinte número primo dentro de uma série de algarismos – é a chamada hipótese de Riemann.

No entanto, ainda não se aferiu se Atiyah é um dos premiados e por isso não se pode confirmar que a lista de problemas tenha perdido um desafio. Caso se confirme, o matemático vai juntar-se ao russo Grigori Perelman, a quem foi atribuído um prémio de um milhão de dólares no dia 18 de março de 2010.

Embora Perelman tenha recusado o dinheiro, a resolução do problema manteve-se intacta: o matemático russo resolveu a conjetura de Poincaré, uma hipótese que se considerava, até ao momento, uma das mais importantes e difíceis de demonstrar. Além do prémio milionário, recusou também a medalha Fields – conhecida como o Nobel das Matemáticas – e retirou-se da vida pública por se ter sentido demasiado exposto pela comunidade.

Mas ainda há cinco problemas por resolver. Um deles é a equação de Navier-Stokes, que vai permitir determinar o comportamento de determinados fluídos, como a água, o azeite ou o ar. É dos problemas de 2000 que mais tem intrigado os matemáticos.

O último matemático que se debruçou sobre ele foi Mukhtarbay Otelbaev, professor universitário em Astana, que acabou por ser corrigido pelo Instituto Clay: um ano depois de ter apresentado a sua proposta, o júri detetou um erro que havia sido cometido nos testes de comprovação.

P versus NP” é outro dos sete desafios que ainda esperam solução. A teoria, relacionada com a informática, diz que os problemas P (aqueles que se podem resolver num período razoável de tempo) e os NP (através dos quais se pode comprovar se uma solução é ou não correta, num certo período de tempo) são iguais. Ou seja, todo o problema P é NP, na medida em que é fácil concluir que uma solução é correta, mas encontrá-la já não.

Relativamente ao seu sentido prático, a teoria diz que, se realmente P e NP são iguais, o sistema codificado da senha pública utilizada para transmitir mensagens confidenciais, através da Internet, abriria uma grande questão: significaria que um terceiro interveniente, na troca de mensagens, que interceptasse a mensagem decifraria a senha num tempo P e teria de se encontrar um novo sistema mais seguro.

A conjetura de Hodge, por sua vez, está relacionada com a geometria algébrica; a teoria de Yang-Mills com a física quântica e com os campos eletromagnéticos das partículas; e, por fim, a conjetura de Birch e Swinnerton-Dyer une a geometria algébrica e a teoria dos números.

Enquanto se aguarda pela confirmação do segundo problema do milénio, há outros cinco por resolver com matemáticos de todo o mundo a trabalharem na solução. Estão em jogo um milhão de dólares e a honra por ter resolvido um desafio destes.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Uma aula fora da sala /premium

Maria João Passos
903

O “fracasso” na Matemática não depende exclusivamente das características da disciplina. É urgente renovar profundamente a escola, para que esta se torne um espaço motivante e agradável de trabalho.

Educação

O objeto da Física é o universo

Filipe Moura
133

Toda a argumentação que o autor apresenta em relação à Matemática pode ser desenvolvida em relação à Física, que historicamente é a única ciência natural que contribuiu para o progresso da Matemática.

passeio aleatório

Curvas maravilhosas /premium

Nuno Crato

Ao contrário da presunção de alguma antiquada intelectualidade, os cientistas-autores portugueses dão lições de humildade e de capacidade de comunicação. E entre eles destaca-se Jorge Buescu. 

passeio aleatório

Duas surpresas do PISA /premium

Nuno Crato
184

Schmidt mostrou-nos números, dados e resultados e as suas conclusões são simplesmente o contrário do que tem frequentemente surgido em debates que não são baseados em factos, mas apenas em ideologia. 

Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)