NATO

NATO acusa Rússia de violar tratado nuclear e pede explicações sobre novo míssil

O secretário-geral da NATO acusou a Rússia de "violar o tratado nuclear" de 1987 sobre a eliminação de mísseis e considerou que Moscovo não forneceu explicações credíveis sobre o novo sistema, 9M729.

CHRISTIAN BRUNA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O secretário-geral da NATO acusou a Rússia de “violar o tratado nuclear” de 1987 sobre a eliminação de mísseis e considerou que Moscovo não forneceu explicações credíveis sobre o desenvolvimento de um novo sistema, chamado 9M729.

Em simultâneo, a representante dos Estados Unidos na NATO, Kay Bailey Hutchison, disse que a Rússia deve interromper a construção de novos mísseis que possam transportar ogivas nucleares. A responsável avisou Moscovo de que os Estados Unidos podem eliminar o novo sistema de mísseis caso se torne operacional, porque “poderiam alcançar qualquer” dos países aliados, “na Europa e América”.

A NATO argumenta que o novo sistema 9M729 compromete o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), assinado em 1987 pelos então líderes da União Soviética, Mikhail Gorbatchev, e dos Estados Unidos, Ronald Reagan.

Este pacto, assinado ainda em período de Guerra fria, prevê a eliminação de todos os mísseis de cruzeiro com um alcance de entre 500 e 5.500 quilómetros.

“A Rússia não forneceu respostas credíveis sobre este novo míssil. Todos os aliados estão de acordo que a avaliação mais plausível é que a Rússia está a violar o tratado. É urgente que a Rússia responda a estas preocupações de forma transparente”, assinalou o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, no quartel-general da Aliança em Bruxelas.

Durante esta conferência de imprensa, que antecede a reunião dos ministros aliados agendada para quarta e quinta-feira na capital belga, Stoltenberg reiterou a preocupação emitida pelos Estados Unidos, que acusam Moscovo de desrespeitar o INF.

O ex-primeiro-ministro social-democrata norueguês considerou que este tratado “é uma pedra angular da segurança europeia”, e “é importante garantir que seja cumprido pela Rússia”. Stoltenberg acrescentou que, segundo os Estados Unidos, a Rússia “já começou a distribuir [por diversas bases] este míssil”.

“Partilharam as informações connosco, mas não vou fornecer detalhes. Apenas dizer que estamos extremamente preocupados”, afirmou.

“Agora este tratado está em perigo pelas ações da Rússia. Após anos de negociações, a Rússia reconheceu recentemente a existência de um novo sistema de mísseis designado 9M729. (…) É urgente que a Rússia responda a estas preocupações de forma substancial e transparente”, concluiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

NATO

A velhinha NATO /premium

Diana Soller

Mas não faz sentido ignorar que, aos 70 anos, a NATO, que nos garante silenciosamente a segurança e que sobreviveu ao seu próprio sucesso na Guerra Fria, nunca passou um período tão difícil. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)