Rádio Observador

Audi

Q8: o SUV que pode bater o BMW X6 e o Mercedes GLE

O SUV desportivo topo de gama da Audi chega ao mercado para se bater com os conhecidos BMW X6 e Mercedes GLE Coupé. Além de mais recente, tem mais trunfos que o transformam num adversário de respeito.

Já está disponível no mercado nacional o topo de gama da Audi em matéria de SUV e, curiosamente, não é o seu modelo de maiores dimensões. Mas se é mais pequeno do que o Q7, de sete lugares, o Q8 é mais refinado, ousado e assume-se como coupé desportivo, sem contudo fazer concessões ao estilo em termos de espaço no habitáculo ou na mala.

Para muitos, nunca fez grande sentido atribuir características desportivas e um veículo que se assume como SUV, logo mais volumoso e pesado, mas que exibe um perfil de coupé, tradicionalmente mais leve e ágil. No entanto, desde que a BMW surgiu no mercado (e com grande sucesso) com o X6, filosofia que a Mercedes replicou anos depois com o GLE Coupé, tornou-se óbvio que abundavam clientes apaixonados por este tipo de veículos, em que os extremos se parecem atrair. A Audi adere agora à moda, com o novo Q8, se bem que com uma abordagem distinta.

Ao estilo coupé com traseira inclinada dos X6 e GLE Coupé, o que limita o espaço atrás em altura, o Q8 responde com uma solução mais tipo hatchback, de traseira mais vertical. Mas reforça os seus atributos com as portas sem aros superiores, solução típica dos coupés desportivos e que confere à carroçaria um ar mais leve e dinâmico. Depois, se nos rivais os lugares posteriores são mais limitados, no Q8 são os melhores assentos da “casa”, com muito espaço para a cabeça e pernas e com bancos reguláveis, com posição para trabalhar ou descansar, vulgo dormir.

O ecrã de instrumentos digital, reforçado por mais dois displays colocados um sobre o outro no centro da consola conferem ao Q8 um ar mais rebuscado, tornando-o mais simples e agradável de utilizar, tanto mais que o modelo oferece ainda mais equipamento do que o Q7. E apesar de disponibilizar apenas cinco lugares, proporciona mais espaço a cada um deles, pois com 4,98 m de comprimento, é apenas 6,6 cm mais curto do que o Q7, mas compensa ao ser 2,7 cm mais largo. O facto de ser 3,8 cm mais baixo explica o ar mais desportivo, apesar de não o impedir de oferecer uma imponente bagageira de 605 litros, que pode crescer com o rebatimento dos assentos posteriores até aos 1.755 litros.

De momento o Q8 está a ser proposto com o motor 50 TDI – com o sistema mild hybrid a 48V, como todos os Q8 –, na prática o 3.0 V6 turbodiesel de 286 cv, que será reforçado em Março com a introdução do 45 TDI, que monta o mesmo V6, mas agora com 231 cv, para em Julho passar a disponível a versão mais possante da gama, o SQ8, com um 4.0 V8 TDI Biturbo, que fornece uns impressionantes 435 cv.

O Q8 50 TDI com caixa Tiptronic de oito velocidades é capaz de chegar aos 100 km/h em apenas 6,3 segundos e depois aos 245 km/h se continuar a acelerar, sendo proposto por 110 mil euros, cerca de mais 15.000€ do que o Q7. O diferencial é parcialmente compensado ao oferecer mais equipamento (num valor aproximado de 5.000€) a começar pelos 39 sistemas de ajuda ao condutor que integra.

Com um objectivo de vendas anual de 60 a 100 unidades, sensivelmente o mesmo do Q7, o novo Q8 disponibiliza sempre suspensão com amortecimento controlado, podendo ser pneumática em opção, que permite uma variação de 9 cm na altura ao solo, consoante se desloque em auto-estrada ou realize uma incursão por fora de estrada. A maior eficácia é garantida pelo eixo traseiro direccional, que não só torna o modelo mais rápido e divertido de conduzir em estradas de montanha, como lhe reforça a agilidade no meio do trânsito e em zonas apertadas, onde reduz o raio de viragem em 1,1 metros.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)