País

Desempregados de multinacionais arranjam empregos melhores

O estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos faz uma avaliação do regresso dos trabalhadores ao mercado de trabalho e da oportunidade económica após o encerramento de empresas.

Getty Images

De acordo com o estudo “Encerramento de Multinacionais: o Capital que Fica”, coordenado por Pedro de Faria, professor da Universidade de Groningen, Holanda, os desempregados de uma empresa multinacional (EMN) que encerra atividade em Portugal têm maior probabilidade e arranjar emprego do que um desempregado de uma empresa nacional que feche as portas. A notícia é avançada pelo Jornal de Negócios, publicada esta manhã de quarta-feira.

O estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos vai ser apresentado no Porto, nesta tarde de quarta-feira, e faz uma avaliação do regresso dos trabalhadores ao mercado de trabalho e da oportunidade económica após o encerramento de empresas, que em média destroem 6.300 empregos por ano, em Portugal.

De acordo com os dados, a colocação de um trabalhador que saiu de uma EMN, após ela fechar, numa empresa nova traduz-se em 34%; a sua colocação no mesmo concelho traduz-se em 64% e a colocação no mesmo setor de atividade em 48%. São valores que contrastam muito quando comparados com os trabalhadores em empresas nacionais. Apenas 13% destes conseguem lugar numa empresa recém-criada; 57% são colocados no mesmo concelho; por fim, 31% são colocados no mesmo setor de atividade.

A análise estatística conclui que “93% dos trabalhadores que saíram de EMN que fecharam foram trabalhar para outras EMN e apenas 7% deles foram recrutados por empresas exclusivamente de capitais portugueses. Estes
números indiciam que é dada importância à experiência profissional adquirida nessas empresas e a posterior contratação é vista quase como uma garantia. Isto deve-se a que os trabalhadores acabem por desenvolver capacidades e rotinas enquanto trabalham numa EMN, que são valorizadas por outras empresas multinacionais.

No que diz respeito à oportunidade económica, as empresas passam a poder contratar profissionais qualificados com experiência profissional em contextos internacionais, que de outra forma estariam fora do alcance dessas empresas.

O estudo analisou o período entre 1985 e 2015 e, segundo os dados recolhidos, todos os anos uma em cada 10 empresas multinacionais fecha portas em Portugal.

Segundo os dados incluídos neste estudo, que analisou o período entre 1985 e 2015, todos os anos fecham portas mais de 200 EMN em Portugal. Assim, são destruídos em média 6.300 empregos no país, por ano, o que justifica a “agitação” no investimento estrangeiro em Portugal e também “indicia a facilidade com que as multinacionais deslocalizam atividades de país para país”.

Este valor corresponde, por sua vez, a uma perda média de 31 empregos a cada abandono de operações. Pedro de Faria sublinha o “impacto que podem ter nas comunidades, uma vez que representam uma perda significativa de emprego para a região”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)